O Regional Sul II da CNBB(Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) que abrange todas as Dioceses do Estado do Paraná, manifestou-se contraria a aprovação do Projeto de Lei(527/2017) que pretende reduzir em quase 70% a Área de Proteção Ambiental(APA) da Escarpa Devoniana, que passaria de 392.363,38 hectares para apenas 126 mil hectares. O manifesto da Cáritas Brasileira, regional PR, adverte que reduzir a área é colocar em risco a vida.

715_o_imagem7784
  • Compartilhe no Facebook

Foto: Denis Ferreira Netto / SEMA

O texto já foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia. Agora, outras três comissões devem analisar a proposta, antes da votação em Plenário. Os parlamentares argumentam que a redução serve para proteger os agricultores contra um processo de tombamento aberto em 2014 pelo governo do Estado.

A unidade foi criada  em 1992 para assegurar a proteção do limite natural entre o 1º e 2º Planaltos do PR e se constitui de  ecossistema peculiar que alterna capões da floresta de araucária, matas de galerias e afloramentos rochosos, além de locais de beleza cênica como os canyons e de vestígios arqueológicos e pré-históricos.

Localiza-se na porção leste do estado ha aproximadamente 35 km de Curitiba e é composta  pelos municípios da Lapa, Balsa Nova, Porto Amazonas, Palmeira, Campo Largo, Ponta Grossa, Carambeí, Castro, Tibagi, Piraí do Sul, Arapoti, Jaguariaíva e Sengés.Tem esse nome porque é sustentada pela Formação Furnas, de idade devoniana. Entretanto, a idade da feição geomorfológica é muito mais nova que a idade da rocha que a sustenta, admitindo-se que a escarpa seja cenozóica (menos de 65 milhões de anos.

A posição da Igreja é inspirada no Magistério do Papa Francisco, que que expressa que “o custo dos danos provocados pela negligência egoísta é muitíssimo maior do que o benefício econômico que se possa obter”.

Para a Cáritas, lutar pela preservação dos limites da APA é garantir vida aos pequenos agricultores, garantir segurança alimentar e nutricional, o agro extrativismo consciente e sustentável, a qualidade da água e o equilíbrio ambiental na região da Escarpa Devoniana. E assim continuaremos nossa luta em favor dos Direitos da Natureza.

Nota da Cáritas Paraná