Os caminhoneiros que conduzem o movimento de paralisação na PRC-280, no Trevo da Codapar, em Palmas, sul do Paraná, não deverão liberar o trânsito de caminhões na rodovia, até a apresentação de documentos que obriguem a liberação da pista.

Conforme um dos motoristas participantes da manifestação, na manhã de hoje (25), a Polícia Rodoviária Estadual (PRE) comunicou que havia sido emitida uma liminar, que obrigava os manifestantes a abrirem o trânsito a partir das 14h, porém, o referido documento não foi apresentado e dessa forma, a categoria se nega a sair do local. “Sem chegar a liminar ninguém vai sair daqui. Se não chegar esse papel e se eles não chegarem a um acordo lá (em Brasília), nós vamos trancar aí e nem carro pequeno passa mais”, declarou um dos motoristas, referindo-se à reunião que está acontecendo na capital federal, entre representantes da categoria e empresários do setor de transportes, com a mediação do Governo.

Os caminhoneiros reiteraram a necessidade da apresentação de documentos, pois, segundo eles, as informações que chegam ao movimento são, por diversas vezes, desencontradas. O caminhoneiro lamentou o descaso com que a paralisação é tratada até mesmo pelo sindicato da categoria. “Aqui não veio ninguém procurar nós, saber o que nós estamos precisando, nem mesmo pra saber o que estamos reivindicando, para ver o quanto nossa classe desvalorizada”, desabafou.

Segundo os manifestantes, caso as negociações não avancem, o bloqueio será estendido à carros pequenos, sendo liberados somente para ambulâncias e carregamentos de remédios. Até o momento, caminhões com carga perecível estão seguindo viagem. Conforme informações, os pontos de bloqueio entre Cascavel, oeste do Paraná, e Palmas, foram liberados por meio de intervenção policial, entre as 14h e 15h20. Com a abertura do trânsito, uma fila de, aproximadamente, 700 caminhões se dirige ao município palmense neste momento. O movimento em Palmas aguarda a chegada da Polícia Rodoviária, para obterem conhecimento sobre as liminares expedidas pelo Poder Judiciário e assim, analisarem a possibilidade de liberação do trânsito. Até o momento, a pista continua fechada para caminhões. Caso o Governo Federal não atenda às demandas da categoria, os caminhoneiros deverão voltar a todos os pontos de bloqueio a partir das 19h desta quarta-feira.

*Matéria atualizada às 15h22