A Câmara Municipal de Palmas, sul do Paraná, e outras quatro da região estão na lista do Tribunal de Contas do Paraná(TCE/PR) que não realizaram julgamentos de pareceres das contas do prefeito no período de 2007 a 2014. No período apurado, o Poder Legislativo palmense recebeu seis pareceres do órgão de controle de contas municipais, sem que tenham sido levados a julgamento. A Diretoria de Execuções (DEX) considerou as informações prestadas até o dia 11 de janeiro.

Também constam do relatório do TCE, na mesma situação, as Câmaras de Santa Izabel do Oeste, cujas contas do prefeito receberam cinco pareceres; Itapejara do Oeste, seis; Bituruna, cinco; São Jorge do Oeste, sete.

Em setembro 2015, portanto fora do período apurado pelo Tribunal os vereadores de Palmas, votaram contrários ao parecer Tribunal de Contas do Estado (TCE/PR) pela reprovação das contas do executivo relativas a 2012. Com isso, ficam aprovadas as contas do então e atual prefeito, Hilário Andraschko (PDT). A votação registrou 09 votos contrários e 04 favoráveis. O órgão de controle havia relatado déficit das fontes não vinculadas no último ano do mandato e falta de repasse da contribuição dos servidores ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Após as explicações, os vereadores votaram contrários ao parecer do Tribunal e favoráveis às contas.

A partir de agora o Tribunal vai aumentar a cobrança sobre as câmaras municipais quanto ao julgamento das contas dos executivos priorizando a fiscalização dos Legislativos municipais que não informaram sobre o julgamento dos respectivos chefes do Poder Executivo, como é o caso de Palmas.

A legislação determina que cabe aos vereadores fazer o julgamento definitivo das contas. Mas é função do TCE encaminhar o resultado desse julgamento à Justiça Eleitoral. Para desconsiderar a conclusão do parecer do Tribunal de Contas são necessários dois terços dos votos dos vereadores.