O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) aprovou segunda-feira (29) operações de crédito para quatro empresas no Paraná, num total de R$ 52,6 milhões. Os recursos vão financiar projetos nas regiões de Arapoti, Londrina, Palotina e Pato Branco.

A maior das operações, no valor de R$ 30 milhões, será com a Vibra S/A, que investirá na ampliação da cadeia produtiva de aves de corte na região de Pato Branco. O grupo, que no Paraná também opera em outros municípios como Itapejara d’Oeste e Coronel Vivida, tem forte presença no mercado internacional de carne de frango e está entre as maiores empresas exportadoras do Brasil.

Para a cooperativa C. Vale, com sede em Palotina, o BRDE aumentou o limite de financiamento para cooperados. Na prática, isso significa que os produtores associados à cooperativa terão à disposição quase R$ 18,5 milhões para investimentos em seus negócios. É a própria cooperativa que contata os cooperados e cuida do trâmite dos pedidos de financiamentos, agilizando a atuação do BRDE junto aos produtores.

“O banco já tem R$ 43,7 milhões em contratos com os cooperados da C. Vale e agora esse valor vai chegar a R$ 62,2 milhões. É dinheiro que será ser investido na construção ou ampliação de instalações e na compra de equipamentos e máquinas, modernizando aumentando a produção, ou seja, gerando mais riqueza para o Estado”, explica o diretor de operações do BRDE, Wilson Quinteiro.

Com 17 mil associados, a C. Vale atua também em Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e no Paraguai, com 141 unidades de negócios.

A parceria com o BRDE é antiga. Só em 2015, o banco financiou a implantação de duas unidades industriais da C. Vale – uma unidade frigorífica, com capacidade de abate e processamento de 50 toneladas de carne por dia, e uma fábrica de ração com produção de 10 toneladas por dia de ração para peixe. No total, o banco já liberou R$ 214,9 milhões em 29 contratos assinados diretamente com a cooperativa. O valor não inclui os recursos destinados a cooperados da C. Vale.

O presidente da C. Vale, Alfredo Lang, lembra que quando se faz investimentos é fundamental o uso de recursos de longo prazo. Daí a importância do trabalho do BRDE. “Para nós, esse aumento do limite de financiamento será importante na medida em que permitirá aos nossos associados dar suporte ao aumento gradual da produção de frangos e de suínos e, também, para viabilizar a renovação do maquinário”, destaca.

Lang explica ainda que os recursos poderão ser usados pelos cooperados que vão ingressar na piscicultura, novo projeto da C. Vale para oferecer novas fontes de renda aos associados.

Além das operações com a Vibra S/A e com a C. Vale, foram aprovados financiamentos para a construção de barracões de suínos em Arapoti, no valor de R$ 2,4 milhões e para a ampliação de uma clínica em Londrina, no valor de R$ 1,74 milhão.