Com um orçamento de R$ 8,51 bilhões até 31 de dezembro de  2013, o Congresso brasileiro é o que mais pesa no bolso da população em comparação aos custos dos parlamentares de onze países desenvolvidos e emergentes.

De acordo com a organização Transparência Brasil, a cada R$ 100 gerados em bens e serviços no País, R$ 0,19 são gastos para sustentar senadores e deputados. Para se ter ideia, este valor é cerca de dez vezes maior que o valor gasto por parlamentares na Espanha ou do Reino Unido e mais de seis vezes do que é gasto nos Estados Unidos.

Para chegar ao resultado, a organização comparou o orçamento de 2013 do Congresso Nacional com os da Alemanha, Argentina, Canadá, Chile, Espanha, Estados Unidos, França, Reino Unido, Itália, México e Portugal.

Ainda, foram cruzados os orçamentos totais com o PIB (Produto Interno Bruto) de cada país no ano passado. Como a comparação é feita diretamente com a riqueza gerada pelos países, o cálculo independe de taxas de câmbio.

A partir deste cálculo, foi verificado que 0,1933% de toda riqueza gerada por cada cidadão brasileiro vai para os salários, benefícios e regalias dos parlamentares.

O valor mais próximo do brasileiro é do Congresso argentino, que ainda fica 23% atrás: 0,1488% do PIB serão dedicados a cobrir os custos do legislativo até o final deste ano.

Cada parlamentar brasileiro vai custar, até o último dia deste ano, R$ 14,332 milhões aos cofres público.

Os 81 senadores do Brasil têm um custo de R$ 43,695 milhões por ano e, os 513 deputados, R$ 9,695 milhões.