Por Evandro Artuzi 

Barracão a Santo Antonio do Sudoeste. BR 163, a estrada da vergonha. Onde foi parar R$ 2,4 milhões? Segundo a Agência de Notícias do Paraná, o Governo do Paraná, investiu R$ 2,4 milhões, recursos liberados em novembro de 2009 quando a rodovia ainda se chamava PRC 163, para recuperar a estrada que liga Barracão e Santo Antônio do Sudoeste, na região Sudoeste do Estado. A licitação da obra foi homologada pelo então governador Roberto Requião.
A ordem de serviço foi assinada em dezembro de 2009, “e os trabalhos de recuperação da rodovia começaram imediatamente nos 26 quilômetros do segmento”. Nossa reportagem percorreu a rodovia, na tarde desta terça-feira, (21) o trajeto do Auto Posto Quatro Rodas até o trevo de Marcianópolis e fotografou 37 buracos que se transformaram em verdadeiras crateras e que vem provocando vários acidentes.
Na reta, próximo a comunidade da linha São João, só um dos buracos (foto) provocou nos últimos três dias, quatro capotamentos de veículos e danos em outros dezoito que foram atendidos somente pela borracharia Lazarotto, de acordo com informações prestadas pelo proprietário, Valmor Lazarotto. “O número é muito maior”, afirma. Por tratar-se de estrada reta, após uma decida os motoristas que desconhecem a rodovia, em velocidade sempre acima dos 100 km/h, são surpreendidos com o buraco e não tem como evitar o acidente.
Nos últimos vinte dias foram mais de cinquenta acidentes com danos materiais, todos a noite e madrugada. A PRC -163, federalizada conforme a publicação em diário oficial de 19 de novembro de 2010, é uma importante ligação entre as regiões Oeste e Sudoeste e caminho natural para o escoamento da produção local, dos Estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul e das cargas vindas da Argentina em direção ao Porto de Paranaguá. O tráfego é intenso e pesado. Neste caso a rodovia transforma-se perigosamente para os usuários, que se deparam com buracos que tomam praticamente todo o leito da pista, como mostra a foto.
Além dos buracos que se formam ao longo da rodovia, o asfalto, em vários trechos esta afundando, formando o chamado (borrachudo). Onde foram parar os recursos se a estrada não foi recuperada? Com a palavra, Requião? Pessutão? Secretaria de Transportes do Estado? A empresa que ganhou a licitação e a ordem de serviço? Queremos uma resposta!

Fonte: Jornal Impacto on line