Na próxima sexta-feira (25) muitas lojas e sites brasileiros promovem a Black Friday. É o momento de comprar produtos com preços a baixos daqueles praticados no dia a dia. O evento é tradicional nos Estados Unidos, foi criado com o objetivo de renovar os estoques das lojas para o período de vendas do Natal, no Brasil ocorre desde 2010.

Responsável pelo Procon de Francisco Beltrão, Mônica Olivo / Foto: Francione Pruch
  • Compartilhe no Facebook

Responsável pelo Procon de Francisco Beltrão, Mônica Olivo / Foto: Francione Pruch

Para aproveitar com tranquilidade a liquidação de produtos, o consumidor deve ficar ligado na hora da compra. Confiabilidade do site, segurança, comparação de preços são alguns itens a serem analisados, “o Procon orienta a pesquisa de preço para verificar se não teve um aumento prévio, gravar as telas ou comunicações que o consumidor teve com o fornecedor para garantir que toda promoção e oferta foram cumpridas, ver se o site é confiável”, explica a responsável pelo Procon (Departamento Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor) de Francisco Beltrão, Mônica Olivo.

Para que os consumidores aproveitem com segurança a Black Friday, o IDV (Instituto para Desenvolvimento do Varejo) e a Fundação Procon-SP reforçaram junto às empresas participantes algumas recomendações para esta ação do varejo. A iniciativa visa evitar que eventuais falhas afetem a credibilidade da promoção, prejudicando o consumidor.

“O Procon Brasil recomendou que o serviço seja especializado nessa data, o site disponibilize mais caminhos para a pessoa entrar em contato com o fornecedor, melhoria da infraestrutura do site, os produtos da promoção devem ser separados dos demais, com identificação visual ou setores”, destaca Mônica.

Mesmo seguindo todas as orientações, nenhum consumidor está livre de imprevistos. Por isso é importante guardar todas as notas fiscais ou print das mensagens enviadas pela internet. “Se não conseguiu uma resposta do fornecedor, ou foi insatisfatória no que se refere ao Código de Defesa do Consumidor, ele pode buscar o consumidor.gov.br, que é uma plataforma do Ministério da Justiça e também procurar o Procon de sua cidade”.