Bandidos voltam a aterrorizar famílias no interior de Francisco Beltrão. No final da tarde desta terça-feira (31), a Polícia Militar foi acionada para atender vítimas de um assalto na comunidade Nova Seção, há poucos quilômetros da cidade. A vítima, Juliana Lopes, contou que por volta das 17h20 dois homens armados com espingarda de revólver invadiram a residência e renderam ela e os três filhos, todos menores.

Os bandidos obrigaram ela a deitar no chão, exigindo que ela entregasse dinheiro e armas. Também ameaçaram atirar contra a filha dela, de apenas 3 anos. Depois de alguns minutos, os bandidos fugiram sem levar nada. Os dois estavam a pé e se embrenharam em um matagal.

Polícia Militar mobilizou várias equipes para atender a ocorrência. Foto: Evandro Artuzi/RBJ
  • Compartilhe no Facebook

Polícia Militar mobilizou várias equipes para atender a ocorrência. Foto: Evandro Artuzi/RBJ

Equipes da Polícia Militar deram início as buscas, vasculhando propriedades vizinhas e uma grande extensão da mata. A polícia chegou a receber informação que os suspeitos estariam seguindo sentido ao Bairro Padre Ulrico. Policiais da Rádio Patrulha, Rocam e Rotam se posicionaram em pontos estratégicos e fizeram buscas na margem do Rio Marrecas, mas ninguém foi encontrado.

Depois de cerca de duas horas, as buscas foram encerradas. Conforme o Aspirante Berno, oficial que coordenou as buscas, apesar de todo o empenho a localização dos suspeitos não foi possível por se tratar de uma área bastante densa de mato fechado. Apesar de todo o esforço, os policiais tiveram bastante dificuldade no meio da mata, ficando em desvantagem pelo fato dos bandidos terem total conhecimento do local e de caminhos alternativos para fuga.

O boletim de ocorrência, bem como informações sobre os suspeitos foram repassadas à Polícia Civil para investigação e identificação de ambos.  Aspirante Berno lembra que a população também pode auxiliar. Se alguém tiver alguma informação sobre os suspeitos, pode repassar através dos telefones 190 e 181, da Polícia Militar, ou diretamente no disque denúncia da Polícia Civil, 197. A ligação é gratuita e não precisa se identificar.

Fotos: Evandro Artuzi/RBJ