Aproximadamente 70 mil mulheres que vivem e tiram seu sustento do campo, de todos os cantos do Brasil, estão em Brasília nesta semana para a 5ª edição da Marcha das Margaridas. O evento, organizado pela Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura), tem como objetivo apresentar ao governo uma pauta com reivindicações que atendam às necessidades das camponesas.

“Elas querem mais educação, mais saúde para elas e para os filhos. Querem inclusão no sistema produtivo e mais do que isso: a vontade de apoiar tantas mulheres que vivem no campo para enfrentar o machismo e a violência doméstica”, disse o deputado federal Assis do Couto, que participou da marcha nesta quarta-feira (12).

O evento começou ainda na terça-feira (11) e conta com debates sobre os temas já apontados pelo deputado e outros pontos, como o fim da violência contra a mulher e o combate ao uso de agrotóxicos. Para a quarta-feira, estava prevista a participação da presidente Dilma Rousseff em um ato realizado no estádio Mané Garrincha. O ex-presidente, Lula, participou da abertura do evento na terça (11).

A marcha é considerada pela Contag como a maior manifestação pelos direitos das mulheres em todo o mundo. Só do Estado do Paraná, segundo informações da Fetaep (Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar do Estado do Paraná) cerca de 450 trabalhadoras do campo participam do evento.