Foi finalizado na manhã desta quinta-feira (04), na Câmara de Vereadores de Palmas, Sul do Paraná, o ciclo de audiências públicas para apresentação da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2018 e o PPA (Plano Plurianual) do município para o quadriênio 2018-2021. As audiências foram organizadas pelos Departamentos de Planejamento e Contabilidade, onde se explanaram as metas e prioridades da administração pública para o próximo exercício e os projetos e programas de longa duração do governo, definindo objetivos para um período de quatro anos.

A primeira reunião ocorreu na manhã de quarta-feira (03), no Centro da Juventude, no bairro Hípica, onde a população e o secretariado municipal acompanharam as previsões orçamentárias e os projetos elencados dentro de cada departamento. Na oportunidade, o prefeito Kosmos Nicolaou abordou o seu plano de metas, destacando ações dos seus quatro meses de governo, além de responder questionamentos dos presentes.

Ainda na quarta-feira, no período da tarde, no bairro Santuário, foi realizada a segunda audiência, onde apenas os diretores de departamentos compareceram. Na terceira e última audiência, também com baixa participação popular, foram finalizados os trabalhos, onde se efetuaram as inclusões a partir das propostas da comunidade, para que o PPA e a LDO sejam encaminhados para análise e votação por parte do Poder Legislativo.

Conforme explicou o diretor de Planejamento de Palmas, Aloisio Nascimento, os dois documentos são os norteadores das ações do departamento, que tem como incumbências equacionar a aplicação dos recursos públicos dentro de todas as áreas da administração pública, além da elaboração de projetos para a obtenção de verbas junto às esferas federal e estadual.

Dentre as demandas apresentadas nas audiências públicas estão a a alocação de uma equipe odontológica na UBS (Unidade Básica de Saúde) do bairro Lagoão e a construção de mais um posto de saúde para o atendimento do bairro e arredores, melhoria da pavimentação de vias em diversos bairros e o inicio de estudos de viabilidade para melhorias no atual e da construção de um novo parque industrial.

Durante as explanações, o responsável pelo setor contábil, Ezequiel Goulart, apresentou dados demonstrando que as previsões de orçamento para o próximo ano não serão muito diferentes do executado no ano de 2016. O contador explicou que as projeções para o próximo ano, cujo orçamento previsto é de R$ 139,5 milhões, são realizadas visando as verbas destinadas a investimentos repassadas por outras esferas governamentais. “Quando colocamos essa previsão de quase R$ 140 milhões, dá-se a falsa impressão de que a arrecadação vai crescer 40%. Não, ela só vai aumentar se as outras esferas de governo repassarem todos os recursos de todos os convênios solicitados.”, salienta.

Porém, diante da situação econômica do país e da arrecadação de impostos do município, Goulart analisa que o orçamento deverá apresentar um acréscimo muito pequeno. “Isso demonstra que se as demandas crescerem mais do que a arrecadação, o desafio será ainda maior”, alerta.