A queda livre de temperatura observada nas últimas 48 horas no Sul do Brasil e que provocou a formação de geada ampla nesta terça-feira (16) foi apenas marca do ingresso de uma forte, porém passageira, massa de ar polar. Nas próximas 24 horas, simulações numéricas indicam o rápido aprofundamento de uma área de baixa pressão atmosférica na Argentina e Paraguai e novamente o escoamento do ar quente da Amazônia para a região. Isso deve influenciar no desenvolvimento de áreas de instabilidade que provocarão mais chuva.

O Acuu Weather, dos Estados Unidos, em seu boletim para a América do Sul, ressaltou que eventos extremos de precipitação, novamente, poderão ocorrer no Sul do país, com chuvas volumosas, acima de 150 milímetros, principalmente no centro, noroeste e norte do Rio Grande do Sul, oeste, meio-oeste, planalto norte e leste de Santa Catarina e no sul e sudoeste do Paraná.

Essa mesma visão dos meteorologistas norte-americanos é indicada pela resolução do modelo, também norte-americano, GFS, que para o período de sete dias estima em muita chuva sobre a Região Sul, a contar desta quarta-feira (17) e pelo menos até sexta-feira (19), com a formação de uma nova frente fria, e que mais uma vez pode levar chuva e queda de temperatura ao sul das Regiões Centro-Oeste e Sudeste.