Nilton e Elvi condenados a 15 anos de prisão cada. Foto: Francione Pruch
  • Compartilhe no Facebook

Nilton e Elvi condenados a 15 anos de prisão cada. Foto: Francione Pruch

Com mais de 20 horas de julgamento, os réus Elvi Aparecida Haag Ferreira e seu esposo Nilton Ferreira foram condenados pelo tribunal do júri da comarca de Guarapuava, centro oeste do Paraná. Cada um a 15 anos de reclusão em regime fechado, pela participação na morte do advogado chopinzinhense, Algacir Teixeira de Lima.

O Júri iniciou às 9 horas da manhã de quarta-feira (29), no Fórum da comarca de Guarapuava, quando houve o depoimento das 12 testemunhas entre acusação e defesa, e o interrogatório dos réus. Eles foram interrogados pela Juíza, promotoria e defesa. Elvi respondeu a poucos questionamentos e como estratégia de defesa optou pelo direito de se permanecer calada. Já seu marido Nilton respondeu a todas as questões. A seção de quarta-feira teve duração aproximada de oito horas.

O júri foi retomado na manhã de quinta-feira (30), onde ocorreu a fase de debates entre a promotoria (acusação) e a defesa. Foram mais de 12 horas de debates acalorados entre a defesa e a acusação até o anúncio da sentença. Após o veredicto, Elvi foi levada a 5ª Subdivisão Policial (SDP) de Pato Branco e Nilton a Penitenciária Estadual de Francisco Beltrão.

Este foi o primeiro júri do crime que chocou a comunidade chopinzinhense pela frieza na execução, rapidez na elucidação e no espanto da população ao ter o prefeito da cidade preso por suposta participação no assassinato.

Os outros acusados, Darci Lopes de Aquino, João Rosa do Nascimento, Jeferson Rosa do Nascimento e Giovane Baldissera, continuam aguardando decisão do Tribunal quanto ao recurso impetrado. Caso a decisão de leva-los a júri popular seja mantida, o próximo passo será definir uma data para a realização do júri dos mesmos.

 

Segundo dia de julgamento

Fim do julgamento em Guarapuava. Foto: Francione Pruch
  • Compartilhe no Facebook

Fim do julgamento em Guarapuava. Foto: Francione Pruch

O segundo dia do julgamento, seguiu com as manifestações da acusação (Ministério Público) e dos advogados de defesas dos réus Elvi e Nilton. Num primeiro momento cada parte teve o tempo de duas horas para defender suas teses junto aos jurados.

O MP, tendo como base as provas colhidas no inquérito policial e durante a oitiva de testemunhas utilizou robustos argumentos para convencer os jurados. A defesa, por sua vez, buscou descaracterizar o crime, dizendo que os réus não executaram os fatos, ou seja, eles não mataram, que foram coagidos pelos policiais que realizaram as diligencias do inquérito.

Os debates poderiam ter se encerrado ali, por volta das 18 horas, mas o MP fez uso da réplica, estendendo o julgamento por mais duas horas. A defesa em resposta utilizou-se da tréplica, por mais duas horas.

Promotor questionando os argumentos da defesa. Foto: Francione Pruch
  • Compartilhe no Facebook

Promotor questionando os argumentos da defesa. Foto: Francione Pruch

Na réplica o MP reforçou sua tese de que os réus tentaram de todas as formas blindar os mandantes, quais seriam, Giovani Baldisseira (Pardal) e ex-prefeito Leomar Bolzani. De forma sucessivas entendeu, também, que os réus tinham a convicção do crime que seria cometido, por isso teriam de ser condenados com as penas do crime de homicídio qualificado.

Para sensibilizar os jurados mostraram fotos de família de Algacir junto às filhas, logo depois, as fotos colhidas no inquérito de seu corpo na mesa de necropsia. As cenas fortes chamaram muito a atenção de todos os presentes.

A defesa em sua tréplica utilizou como tese que os réus teriam agido por força de coação irresistível, ou seja, que foram forçadas a fazer o que fizeram, e que, caso não executasse, poderiam sofrer sérias consequências. Foram utilizadas de forma sucessível, as teses de conversão de homicídio qualificado, para homicídio simples, participação de menor importância e, pugnaram, pela absolvição.

 

Relembre o caso:

Algacir Teixeira de Lima.
  • Compartilhe no Facebook

Algacir Teixeira de Lima.

O procurador do município de Chopinzinho, Algacir Teixeira de Lima, 51 anos, foi morto na manhã do dia 16 de março de 2015, uma segunda-feira, quando estacionava o veículo na garagem do prédio onde morava, na área central da cidade.

Alvejado por seis tiros, o executor (acusado Darci Lopes de Aquino), saiu caminhando pela principal avenida da cidade até entrar em um veículo Corsa de cor preta, onde seus companheiros o aguardavam para fuga. O advogado foi atendido pelo SAMU, mas não resistiu aos ferimentos. As duas filhas do procurador estavam no carro no momento que ocorreu o crime.

A Polícia Civil assumiu o caso na segunda-feira (16), logo após o crime ser registrado no centro da cidade. As investigações começaram através das imagens das câmeras de segurança, e a partir do depoimento de pessoas envolvidas no assassinato, foi descoberto que o crime estava sendo planejado desde dezembro de 2014 e o valor ajustado entre as partes seria R$ 6.500,00 (seis mil e quinhentos reais) sendo uma parte antecipada e outra depois do crime.

Ao todo sete pessoas foram presas por suspeita de envolvimento no crime, Jeferson Rosa do Nascimento, Darci Lopes Aquino (executor), Elvi Aparecida Haag Ferreira (intermediadora), Nilton Ferreira, 47 anos (marido de Elvi), João Rosa do Nascimento, Geovane Baldissera “Pardal”, ex-funcionário da Prefeitura de Chopinzinho e Leomar Bolzani, na época prefeito de Chopinzinho. Geovane e Leomar foram presos como supostos mandantes do crime.

Leomar Bolzani foi preso no dia 22 de março, após o mandado de prisão ter sido decretado pelo Tribunal de Justiça do Paraná, acusado de ser o mandante da morte do procurador do município. Bolzani chegou a ser levado à Penitenciaria Estadual de Francisco Beltrão, sendo transferido novamente para a 5ª Subdivisão Policial (SDP) de Pato Branco no dia 21 de maio.

Depois de sete meses preso, o Tribunal de Justiça do Paraná autorizou Bolzani a responder o processo em liberdade. Para tal benefício, foi necessária a instalação de uma tornozeleira eletrônica. No dia 4 de novembro de 2015, Leomar Bolzani retornou para Chopinzinho onde permanece com a utilização da tornozeleira eletrônica.

No dia 2 de maio deste ano, Leomar Bolzani renunciou o cargo de prefeito. O fato foi confirmado pelo seu advogado de defesa, Auro Almeida Garcia. Com a decisão, Bolzani perdeu o foro privilegiado e não será mais julgado pelo Tribunal de Justiça do Paraná, o processo passa para o Fórum da Comarca de Chopinzinho.

Até o momento apenas Elvi e Nilton foram julgados, os outros acusados incluindo o ex-prefeito de Chopinzinho, aguardam a definição da data para a realização do júri dos mesmos.