Entre janeiro e outubro, Palmas, sul do Paraná, exportou cerca de US$ 124,99 milhões, uma queda de 0,43% comparado ao mesmo período do ano passado, quando as exportações ultrapassaram US$ 125,5 milhões. Apesar da redução nos valores, os índices nem se comparam com as quedas apresentadas nas exportações do Paraná e do Brasil. Os dados foram divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Nos 10 primeiros meses do ano, o Paraná exportou US$ 12,7 bilhões, -9,65% menos do que o exportado no ano passado. Já o Brasil, vendeu ao exterior cerca de US$ 160,5 bilhões, uma queda de mais de 16%.

No quadro de exportações de Palmas, o principal produto, madeira compensada, representa mais de 81% das vendas, contabilizando um montante de US$ 101,9 milhões. A indústria farmacêutica continua no 2º lugar, com US$ 13 milhões através da venda da heparina e sais. Na 3ª colocação do ranking exportações aparece a carne suína, com mais de US$ 8,8 milhões. Aparecem ainda na lista artefatos de uso doméstico, miudezas comestíveis, folhas compensadas e artefatos de madeira, tubos e conexões hidráulicas, entre outros.

O principal comprador da produção palmense é o Reino Unido, com mais de US$ 30,4 milhões. Em seguida estão os Estados Unidos da América, com aproximadamente US$ 18,3 milhões, seguido da Espanha, US$ 13,1 milhões, e Bélgica, US$ 12,6 milhões. Além desses países, Palmas exporta também para Alemanha, Austrália, México, Jamaica, Hong Kong, Holanda, Itália, Porto Rico, Irlanda, Rússia, Dinamarca, Finlândia, França, Argentina, dentre outros. Somente o bloco da União Européia representa mais de 58% do mercado exportador do município.

Sobre as importações, entre a compra de maquinários e implementos para a indústria, Palmas comprou pouco mais de US$ 1 milhão, uma redução de mais de 70% em comparação às importações de 2014.