Os índices de desenvolvimento da microrregião de Palmas, composta por municípios do Sul, Centro-Sul e Sudoeste do Paraná, cresceram quase 16% em 5 anos, conforme levantamento do RBJ junto à Firjan (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro), responsável pelo IFDM (Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal), que acompanha anualmente o desenvolvimento socioeconômico dos municípios com base nas áreas de emprego & renda, educação e saúde.

O índice varia de 0 (mínimo) a 1 ponto (máximo) para classificar o nível de cada localidade em quatro categorias: baixo (de 0 a 0,4), regular (0,4 a 0,6), moderado (de 0,6 a 0,8) e alto (0,8 a 1) desenvolvimento. Ou seja, quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento da localidade.

Em 2008, na média dos cinco municípios da região – Coronel Domingos Soares, Clevelândia, Honório Serpa, Mangueirinha e Palmas – o IFDM consolidado (produto das três áreas levantadas) era 0,583 – desenvolvimento regular. Em educação, o índice da região era 0,621 (moderado), saúde – 0,722 (moderado) – e emprego, 0,406 (regular).

Conforme o último levantamento da Firjan, divulgado em 2015, com base em dados de 2013, os índices se elevaram, mas a região ainda permanece em desenvolvimento moderado. O IFDM geral subiu para 0,675. Na saúde, o índice chegou a 0,782. Na área educacional, a região atinge 0,699. No quesito emprego e renda, o crescimento foi de 34%, mas ainda permanece em nível regular – 0,544.

O IFDM é utilizado para o auxilio a gestores e entidades, para análise das realidades de cada município e na elaboração de políticas e planos para o desenvolvimento. Ele é feito, exclusivamente, com base em estatísticas públicas oficiais, disponibilizadas pelos ministérios do Trabalho, Educação e Saúde. Abaixo pode ser conferido o desempenho individual de cada município da microrregião no comparativo entre os anos de 2008 e 2013.

Palmas

Sede da região, em 2008 tinha o melhor IFDM dos cinco municípios – 0,647. Na área educação, o índice palmense era de 0,631. Em saúde, 0,746 e emprego, 0,563. No último levantamento da Firjan, o IFDM geral subiu para 0,717 – crescimento de 10,8%. No quesito educação, o índice evoluiu para 0,669 (+5,92%); Saúde – 0,798 (+6,95%) e emprego – 0,684 (+21,43%). Nesse último, Palmas é o único município que atingiu índice acima de 0,6 (moderado).

Coronel Domingos Soares

Com o segundo maior crescimento da região, o município domingossoarense subiu do nível regular para desenvolvimento moderado. Em 2008, o IFDM era de 0,533, considerado o pior entre da microrregião. Cinco anos depois alcançava um índice de 0,657, elevação de 23,2%. Na educação cresceu 16,3%, partindo de 0,548 para 0,637. Na saúde, subiu de 0,697 para 0,820 (+17,7%), sendo considerado um município de alto desenvolvimento nesse setor. Já na área de emprego, o crescimento foi de 45%, o maior da microrregião. Porém, saiu de 0,354 (baixo desenvolvimento) para 0,514 estando ainda em desenvolvimento regular.

Clevelândia

É o único município da microrregião que ainda encontra-se em nível regular de desenvolvimento. Entre 2008 e 2013 cresceu apenas 8,6%, passando de 0,534 para 0,580. Seu melhor desempenho foi na área de emprego e renda, crescendo 30,4% nos cinco anos – de 0,384 para 0,501. Na educação, passou de 0,640 para 0,677. Por sua vez, na saúde o município registrou queda em seu índice. Em 2008, o IFDM do setor era 0,577. Em 2013, caiu para 0,560 (-2,9%).

Honório Serpa

Com crescimento de 8,4%, Honório Serpa detém de um IFDM de 0,676. Na educação, a elevação foi de 13,7%, passando de 0,658 em 2008 para 0,748 em 2013. No período, emprego evoluiu 43%, mas, ainda é o mais baixo da microrregião, estando atualmente com índice de 0,452 nessa área. No setor de saúde, em 2008 o município apresentou o melhor desempenho, alcançando índice de 0,896. Cinco anos depois, sofreu uma leve queda, estando atualmente em 0,828.

Foto:Copel
  • Compartilhe no Facebook

Usina de Salto Segredo em Mangueirinha. Foto:Copel

Mangueirinha

O melhor IFDM da microrregião – 0,745. Entre 2008 e 2013 foi o município com o maior crescimento geral – 28,9%. Nas áreas que compõem o índice, a maior evolução, assim como nos demais municípios, foi em emprego e renda. Mangueirinha alcança 0,569 nesse setor. Na área da educação, o município elevou seu IFDM de 0,629 para 0,761 (+20,9%). Já na saúde, partiu de 0,692 para 0,904 – também o melhor índice microrregional.