Apesar das intempéries climáticas, como granizo e geada tardia, a safra 2015/2016 de maçã em Palmas, Sul do Paraná, deverá atender as expectativas dos produtores. No entanto, devido ao clima instável da região, variedades precoces, como a Eva, sofreram uma quebra de 90%. À nível de Paraná, a variedade Eva sofreu uma quebra de 20%, enquanto a Gala enfrenta uma queda de 30% na produção.

Nesta semana inicia a classificação e embalamento de frutas de outras regiões, que utilizam a estrutura da Codapar (Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná) de Palmas para esses serviços.

Conforme o engenheiro agrônomo e produtor, Ivanir Dalanhol, a colheita da Gala deverá iniciar a partir de 20 de janeiro e, aco contrário da demais regiões produtoras, Palmas deverá apresentar uma colheita muito boa, com cargas cheias, e percentual de quebra muito pequeno. “A maçã de Palmas, ao contrário dos outros municípios produtores, nós estamos com uma safra muito boa. Se compararmos com municípios mais baixos e mais quentes, a carga sofre uma quebra 10% até 20%”, explicou.

Segundo as estimativas do setor, a produção deverá ser a mesma da safra anterior, permitindo o atendimento da demanda do mercado nacional.