A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reconheceu nesta terça-feira (19) que o atraso no início da obra da hidrelétrica de Baixo Iguaçu, que será construída no Rio Iguaçu, entre os municípios de Capanema (Sudoeste) e Capitão Leônidas Marques (Oeste) pela Neoenergia, deve-se a “caso de força maior” e concedeu uma extensão do cronograma do empreendimento em 626 dias.

A agência também recomendou, em reunião de diretoria, que o Ministério de Minas e Energia amplie a concessão da usina pelo mesmo período para evitar perdas à Neoenergia, que alegou que o atraso deve-se em parte à demora na emissão de licenças ambientais e outorga de direitos hídricos, além de decisões judiciais que chegaram a paralisar o empreendimento.