O Médico Veterinário José Carlos Zanella, participa todas as quartas da programação da Rádio Onda Sul FM com o quadro “Onda Animal”. Durante sua participação, são esclarecidas dúvidas dos ouvintes que interagem através das plataformas de interação da emissora.

Minha cadela faleceu ontem por perfuração do intestino, ela tinha 1 ano e era de grande porte. Ela estava bem na segunda de manhã e à noite se abateu, foi internada, e acabou falecendo. Tem algum sintoma que nós podemos notar antes de um fato desses? Com que frequência esse tipo de incidente ocorre?

 

Zanella inicia explicando que mortes por perfuração do intestino são frequentes. “Só essa semana é o segundo relato que eu vejo de situações de animais que morrem em função de perfuração intestinal por corpo estranho. Então é um alerta a quem tem animais, tomar cuidado com objetos, corpos estranhos, algo que animal começa a ingerir por brincadeira, começa a brincar. O animal não tem noção e acaba que isso acontece com muita frequência, é difícil o diagnóstico também porque muitos corpos estranhos não são detectados às vezes no ultrassom, no raio-x, às vezes demora muito, ocorre a perfuração e animal morre mesmo.”

(Imagem Ilustrativa)
  • Compartilhe no Facebook

(Imagem Ilustrativa)

Ele comentou os riscos de dar osso de frango para o cão. “Muito, principalmente animal que não tem hábito de consumo direto disso. O animal tem o hábito consumo desde pequeno, ele quebra, morde muito isso antes de ingerir, já o animal que não tem o hábito, como é gostoso, ele acaba dando uma mordida, duas e ingere. Principalmente a canelinha do frango, que tem pontas que passa pelo estômago sem ser digerido, chega no intestino acaba perfurando.”

O médico veterinário falou da importância de prestar atenção no comportamento do animal. “Os principais sintomas que levam a suspeitar de ingestão de corpo estranho, normalmente são a apatia e dor abdominal. O animal começa muitas vezes a apresentar vômito, fica quieto, parado e tem muita dor abdominal, ao ponto de que se tocar na barriga ele urra de dor.”