Um projeto importante para a ampliar a produção de milho e feijão vem sendo desenvolvido no Paraná pela Emater há 29 anos. É o projeto Centro Sul Feijão e Milho. Atualmente está presente em 42 municípios do Estado, em sua grande maioria no Centro Sul, nos arredores de Guarapuava.

Em entrevista à Extra FM, o engenheiro agrônomo da Emater, Germano Kusdra, explicou que o projeto tem ajudado pequenos agricultores a melhorar a produção de milho e feijão na região. O objetivo, segundo ele, é profissionalizar agricultores familiares nas lavouras de milho e feijão numa visão de desenvolvimento, que consequentemente gera aumento de produção e de lucratividade.

  • Compartilhe no Facebook

Engenheiros agrônomos Germano Kusdra e Hilário Milanesi da Emater/PR, envolvidos na execução do projeto na região. Foto: Evandro Artuzi/RBJ

Cada participante do projeto, recebe visitas periódicas dos técnicos da Emater, que levam orientações para melhorar a situação das lavouras. De acordo com Germano, o sucesso tem motivado outras regiões a aderir ao programa. Uma delas, é a Sudoeste, na região de Francisco Beltrão. Nessa semana, ele visitou a regional da Emater e também esteve em contato com os escritórios de alguns municípios para dar o ponta pé inicial.

Nos municípios da microrregião de Candói o projeto é acompanhado também pelo engenheiro agrônomo, Hilário Milanesi. Segundo ele, o trabalho começou a cerca de 10 anos e os resultados são extremamente satisfatórios. “Temos em Foz do Jordão uma unidade de milho, temos no Candói vitrine de milho e unidades de feijão, sempre colocando as unidades dentro de comunidades que tem a maior concentração de pequenos agricultores que trabalham nessa atividade de feijão e milho, casados sempre com outras atividades na propriedade né, na geração de renda. No caso do Candói o leite é muito forte e entra principalmente o milho silagem e fecha com esse programa também”, ressaltou.

Ainda, conforme Hilário, recentemente os agricultores foram até Ponta Grossa, onde participaram de uma visitação a uma área experimental de feijão, além de outras visitas técnicas já realizadas em cidades da região e do Estado.

A entrevista completa pode ser ouvida no link abaixo…