Entrevistas de Evandro Artuzi e Everton Leite

Texto de Larissa Mazaloti

 

Na manhã desta terça-feira (17), em Francisco Beltrão, quem passou pelo calçadão logo cedo, viu uma cena curiosa. “Amarrado”, é como o agricultor da comunidade Água Vermelha, Danglei Paz da Silva declarou estar se sentindo por conta da demora e segundo ele, “enrolação”, da secretaria municipal de Interior, em atender a um pedido de serviço na propriedade dele. Por isso decidiu fazer um protesto pacífico. Ele se amarrou ao relógio do calçadão com uma corda e disse estar em jejum. “Vou ficar aqui e fazer greve de fome até que uma máquina esteja em cima daquela terra” disse em entrevista ao repórter Evandro Artuzi da Onda Sul FM.

 

Por volta das 11h Danglei ainda estava amarrado no local, sozinho e com o rosto bastante vermelho por conta do sol. No entanto ele não cumpriu a jornada prometida. Perto das 12h ele já não estava no local. Segundo informações, a secretária municipal de Agricultura foi quem conversou com Danglei e explicou a agenda de trabalhos da secretaria de Interior e conseguiu convencê-lo a se desamarrar e aguardar.

 

Por telefone, procuramos Danglei após o fim do protesto, mas não fomos atendidos.

 

Protesto, por quê?

 

Danglei conta que está num espaço emprestado por Santos Chioqueta, mas que o prazo do favor acabou e ele precisa de uma estrada de acesso para construir e iniciar atividades no pedaço de terra que comprou.

 

De acordo com o manifestante solitário, há seis meses fez o pedido para receber o serviço e no final de 2012 teve contato com a equipe da secretaria municipal de Interior que desde então sempre prometeu colocar o maquinário “logo, logo”.

 

Danglei já esteve a frente de uma associação de avicultores, mas ele afirma que foi expulso por não ser filiado ao PT (Partido dos Trabalhadores). “Para estar na associação tem que ser PT de carteirinha e como eu não sou, estou fora”, ponderou. Há informações que Danglei possa ser um pré-candidato a vereador. Antes de ter acesso a esta informação, na entrevista, o fato não foi abordado, mas Danglei enfatizou que não se trata de uma questão política.

 

“Nâo vou participar do circo dele”, disse Cella

 

O secretário municipal de Interior, Janir Cella se recusou a ir até o calçadão. Em entrevista ao jornalista Everton Leite, da Onda Sul FM Cella disse que não iria participar do “circo” do agricultor. Segundo Cella a comunidade Água Vermelha já está sendo atendida, o maquinário está naquela região e cumpre um cronograma. O secretário lembra que o fato chuva é um determinante para os prazos nas obras do interior.

 

O contato no final do ano foi confirmado por Cella, que tem registrado o pedido de Danglei na segunda quinzena de dezembro de 2011. “O serviço dele está programado e como a necessidade dele, tem 3 mil propriedades com demanda. Para quem pede, o serviço sempre é urgente”, argumenta.

 

Pelas entrevistas, se confirma que um funcionário da equipe da secretaria esteve na propriedade, e foi verificado que não é possível fazer o serviço com uma carregadeira, apenas com o trator de esteira, que está ocupado no cascalhamento de estradas principais do interior do município. “Temos de 12 a 14 pedidos de serviço, diariamente na secretaria”, relata.

 

Para a Onda Sul FM, o secretário não estabeleceu um prazo ou data. Na edição do meio-dia, um veículo de comunicação estadual informou que haveria um prazo de 45 dias.

 

Danglei, que afirmou ter ligado na noite desta segunda-feira (16) para Cella sem obter atendimento ou retorno, foi contrariado pelo secretário que tem a comprovação de que fez uma ligação para o agricultor, mas neste retorno não foi atendido.

 

“Para mim, isso está mais para um teatro. Ele quer chamar atenção, ou por questões políticas, ou por questões pessoais”, analisou.

 

Cella esclarece que fica no gabinete, se tudo correr normalmente, todos os dias das 8h às 9h30 e das 15h30 às 16h, porque no restante do tempo está no interior.

OUÇA AS ENTREVISTAS, CLIQUE AQUI