Aí você olha para o quintal e por causa do começo do outono, aquela árvore está quase sem folhas. Mas contrastando com fim de tarde você nota que um grupo de tucanos toma conta do lugar, como se fizessem parte dos galhos com suas folhas e flores. Algo difícil de acontecer na cidade, certo? Errado. Ver tucanos não é muito comum, principalmente atualmente e em plena cidade de Francisco Beltrão.

Em meio a uma vegetação com árvores raras, o que sobra são apenas algumas frutíferas nos quintais de alguns mais conservadores. E foi exatamente neste contexto que alguns tucanos tem aparecido nas proximidades do Parque de Exposições.

Segundo analistas ambientais, o nome desta ave é “ramphastos” e normalmente eles vivem em pares ou em bandos de 15 ou 20 aves. Na nossa região não é comum encontra-los em bando, mas as aves podem estar ampliando a área de abrigo em locais onde encontram alimentos e se sentem protegidos.

E como curiosidade vale ressaltar que não se encontram tucanos em outros continentes. Aliás, os tucanos não suportam o frio. Isso quer dizer que possivelmente com a chegada dos dias frios, eles não voltem a aparecer, apesar de não serem aves migratórias.

Os tucanos se alimentam de frutos que encontram na natureza e quando estão com muita fome comem até insetos e filhotes de outras aves. O bico do tucano ajuda na alimentação, já que facilita a quebra de cascas de frutos mais rígidos e ajuda na mastigação de alimentos.

Por ser uma ave de visual muito bonito, eles foram caçados até quase sua extinção. Alguns pelo simples prazer de apresentar o bico da ave como uma espécie de troféu.

Na verdade, espera-se que eles voltem com frequência e não só no período de maturação das peras, árvore na qual eles foram fotografados.