Por Evandro Artuzi

A adolescente Suzane Maria Pelizari, 16 anos, seqüestrada pelo ex-namorado na quinta-feira (16), à noite, conseguiu se libertar nesta segunda-feira (20) e fugir do cativeiro. Ela aproveitou o momento em que o seqüestrador, José Luiz Brustolin, dormiu para fugir e pedir ajuda, na comunidade de Linha Borges, interior de Coronel Vivida. A vítima chegou a ser perseguida por José, quando este percebeu sua fuga do local, mas procurou auxílio de moradores na comunidade que acionaram a Polícia Militar.
Desde a data do seqüestro o casal ficou escondido no meio da mata, recebendo comida de familiares do seqüestrador, que acompanhava a movimentação da polícia através das emissoras de rádio. Na residência onde a garota pediu ajuda, José tentou intimidar os moradores pedindo um telefone, mas não obteve êxito. Ao saber que a polícia havia sido comunicada empreendeu fuga em um táxi e está sendo procurado em toda região. A menina está magra, debilitada e muito assustada.
Na delegacia ela contou que chegou a ver os policiais realizando buscas próximo do cativeiro, mas não podia fazer nenhum sinal, pois durante todo o tempo foi mantida sob a mira de uma arma de fogo. Em entrevista ao repórter Valdenir Lima (Rádio Vicente Pallotti), a adolescente falou sobre os momentos de angústia que viveu desde o início do seqüestro e acusou a família de José e um taxista de colaborar no crime.
Tanto a Polícia Militar quanto a Civil emitiram alerta para todas as regiões informando a situação. Conforme a Delegada de Coronel Vivida, Vera Lúcia Tapie, que cuida do caso, José Luiz Brustolin vai responder por dois crimes, seqüestro e estupro. Segundo Vera Lúcia, a adolescente foi obrigada a manter relação sexual diversas vezes com José.

OUÇA ENTREVISTA DA VÍTIMA