Uma reunião realizada na manhã desta quinta-feira pela Secretaria de Assistência Social debateu possíveis soluções para o encaminhamento de moradores de rua de Francisco Beltrão. Segundo levantamento da Abordagem Social do Creas (Centro de Referência Especializada em Assistência Social), cerca de 15 pessoas residem nas ruas da cidade.

“Temos, por exemplo, o caso de pessoas acampadas no parque de exposições, que também vira um ponto de uso de drogas e de álcool, além das ruas; um problema que não é de agora e não é só em Beltrão”, comenta a secretária de Assistência Social, Ana Lucia Manfrói. Pela cidade, rotineiramente são encontrados também transeuntes de outras cidades.

O Município conta com a disposição da Casa Mini Santa Aliança, onde transeuntes têm abrigo, roupa de cama e comida, além do encaminhamento para suas cidades, famílias ou cursos profissionalizantes para retornarem ao mercado de trabalho. No entanto, os representantes da instituição que estiveram na reunião reconhecem a dificuldade de manter os moradores na casa em função das regras que a mesma possui, como a proibição do consumo de álcool, horário para entrada na casa e higiene pessoal diária.

Em função dessa resistência dos moradores de rua, os integrantes do encontro definiram pela ação de retirada dos moradores que estão no parque de exposições e encaminhamento a local adequado. “Não vamos retirar eles de lá e mandar pra outras cidades, mas queremos dar um local digno, que eles tenham um recomeço e não vivam nestas condições de miséria”, afirmou Ana Manfrói.

Uma reunião foi marcada para a segunda quinzena de julho. Até lá, serão implementadas ações rígidas da Abordagem Social em parceria com a Polícia Militar. A Secretaria de Administração, o Creas e a PM também participaram da reunião.