Com a finalidade de manter a qualidade da água dos rios, que servem de fonte de abastecimento para cidades da região Sudoeste, a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) vai elaborar relatórios da situação das bacias de cada manancial. O trabalho será feito em parceria com as prefeituras municipais.
O objetivo é evidenciar por meio de relatórios possíveis focos de poluição. Quando finalizados, esses relatórios serão encaminhados aos órgãos competentes para que sejam tomadas medidas de proteção à fonte de abastecimento. Os relatórios vão sugerir ações conjuntas, entre os diversos usuários do manancial e o poder público. Espera-se que comportamentos incorretos sejam progressivamente eliminados.
Segundo técnicos da Sanepar envolvidos no trabalho, a qualidade da água dos mananciais pode ser comprometida pelas atividades econômicas da região, como indústria, agricultura e pecuária, que não estejam atentas aos cuidados com o ambiente em que atuam.
“Dentre as principais causas de contaminação dos rios da região estão o manejo incorreto do solo e a insuficiência de mata ciliar, causando assoreamento e entrada de insumos agrícolas nos rios. Há ainda o lançamento de dejetos de animais oriundos da bovinocultura, suinocultura e piscicultura, resíduos industriais”, explica o engenheiro agrônomo da Sanepar Marco Antonio Dahmer.
Na região de Pato Branco, já foram efetuados os levantamentos nos rios Chopinzinho e Pedrosa, mananciais de abastecimento de Chopinzinho, e estão em andamento os diagnósticos dos rios Vitorino, manancial de Itapejara do Oeste, Caldeira, manancial de Palmas, Pato Branco, manancial de Pato Branco, e Capivara, manancial de São João.
Rio Chopim. Foto de divulgação
  • Compartilhe no Facebook

Rio Chopim. Foto de divulgação

Chopinzinho

A Estação de Tratamento de água (ETA) de Chopinzinho começou a tratar a água em março do ano passado. Em menos de um ano, foram evidenciadas sete ocorrências de lançamentos irregulares de dejetos no Rio Chopinzinho, onde a água é captada para abastecer parte dos moradores da cidade. “A Sanepar teve que paralisar o sistema de abastecimento, em face da alteração das características da qualidade da água”, explica o gerente regional Aderbal Roncatto.
Devido à situação, foi criado grupo de trabalho, encabeçado pela Sanepar, Prefeitura e Emater, para coordenar as ações na bacia, orientando o planejamento e a execução de práticas mais adequadas. O grupo vai buscar apoio e participação de outros órgãos públicos e da iniciativa privada que tenham atuação na bacia.
“Entendemos que é necessário manter, com a comunidade usuária e residente no entorno das bacias, contanto mais permanente, para que as ações e as práticas de conservação e de proteção dos recursos hídricos sejam fomentadas e contribuam com a construção de uma nova cultura de cuidado com os rios”, diz a assistente social da Diretoria de Meio Ambiente da Sanepar, Marilúcia Cyrino Rodrigues.