locais para os parques
  • Compartilhe no Facebook

Campos de Palmas que receberão os parques eólicos

O Instituto Ambiental do Paraná(IAP) publicou nesta quarta-feira(22) o Edital de entrada do Estudo e Relatório de Impacto Ambiental(EIA/RIMA) do complexo Palmas II para geração de energia eólica no município de Palmas, sul do Paraná. A publicação é procedimento necessário para solicitação de Audiência Pública para apresentação dos projetos e abrange também documentos relativos a Linha de Transmissão da energia até a subestação da Copel no perímetro urbano.

A empresa Enerbios Consultoria em Energias Renováveis e Meio Ambiente requereu pedido de licenciamento ambiental apresentado os estudos, conforme Resolução do Conselho Nacional de Meio Ambiente(CONAMA). O empreendedor disponibilizará cópias do EIA/RIMA aos organismos do governo municipal, Ministério Público Estadual e Federal, bibliotecas, universidades e ao Conselho Municipal de Meio Ambiente.

A previsão é de que entre 3 e 5 anos o novo complexo nos Campos de Palmas esteja  produzindo 200 Megawatts, através de 100 torres, com 150m metros de altura. O empreendido, com investimento superior a R$1,2 bilhões, está sendo trabalhado há pelo menos 7 anos pelas empresas brasileiras Vento Sul Energia, Cia Ambiental, Enerbios – Energias Sustentáveis e a alemã Inno Vent Wind Energy Wordwild.

A produção dos parques Campo Alegre, Pederneiras, Santa Cruz, Santa Maria, São Francisco, Taipinha e Tradição será conectada à subestação de Palmas, através de linha de transmissão de 28 quilômetros, com traçado  previsto para faixa de domínio da PRC-280.

Na fase de implantação deverão ser gerados até 500 postos de trabalho diretos, entre as mais diversas funções e formações, onde pretende-se priorizar a contratação de mão de obra local. Posteriormente para a operação e manutenção serão pelo menos 25 postos de trabalho fixos. Também haverão empregos diretos na execução de pelo menos 19 programas ambientais durante e após as obras.

Audiência Pública é o procedimento essencial para que o órgão de fiscalização ambiental do Estado conceda a Licença Prévia(LP) para inciar os empreendimentos, que previsão para iniciar em 2019.
EIA
RIMA