Um poema feito de maneira despretensiosa, como uma das atividades de um projeto desenvolvido com a turma, levou um menino de 10 anos longe. Bem longe. Lá pras bandas de São Paulo. Foi lá que Gabriel Gotardo foi um dos 3 representantes do Paraná na 6ª Olimpíada de Português, no início do mês. O tema da edição foi “O lugar onde vivo”.

A experiência toda foi uma novidade. Acompanhado de sua mãe e da psicóloga da Secretaria de Educação, ele ficou três dias na cidade. “Pra mim foi muito legal, uma experiência única. Foi legal andar de avião, a primeira vez ficando em um hotel, e ainda lá em São Paulo! Lá é grande”, conta Gabriel. O aeroporto por si só foi de encher os olhos: “tipo, era tão bonito de ver todas as pessoas, parecia que tina a metade da população lá dentro”. Ele é aluno da Escola Rural Municipal Visão do Futuro, de São Luis.

Foram dias de muito conhecimento. O evento começou com aulas, onde professores analisaram os poemas, fizeram sugestões e problemas para corrigir. Os alunos tiveram a oportunidade de declamar seus poemas em um sarau, ganharam livros e visitaram museus. E não foi só este tipo de conhecimento a que Gabriel teve acesso: conheceu muita gente e realidades diferentes, de gente que vem de bem longe. Um exemplo é que o quarto de hotel foi dividido com um colega do Amapá.

O evento teve participação de 42.086 escolas, 4.876 municípios e 171 mil inscritos. Gabriel foi semifinalista na categoria poema, orientado pela professora Bruna Mafessoni. O aluno vivenciou uma prova de que estudar vale a pena, pois todas estas experiências foram oportunizadas pelo esforço tido no momento de escrever seu poema. No fim, ficou com a medalha de bronze e não prossegue na competição (que tem mais etapas), mas isto é só um detalhe no meio de tantas coisas boas que vieram. A medalha, como símbolo, foi colocada no seu quarto, bem à vista: “pra sempre ter uma lembrancinha das olimpíadas”, diz.

E o resultado não foi um orgulho apenas para sua família, mas também para a escola e todo o Município. A colega Heloísa Presa conta que foi bom ter participado do projeto. “Estudar vale a pena e foi uma grande lição. Eu não esperava o prêmio na nossa escola, a gente ficou torcendo por ele, na nossa sala todo mundo queria. Eu gostei de quando ele classificou na final”, diz.

“Na simplicidade dele, conseguiu despertar através do poema a sua realidade. É motivo de orgulho, satisfação e gratidão. Estamos muito contentes e que outras crianças se espelhem nele e saiba que todos podem chegar lá”, ressalta a Diretora da Escola, Enedir Bocchio. A Visão do Futuro faz muito projetos ao longo do ano. Umas das atitudes tomadas é de na hora da seleção dos alunos que vão representar a instituição, diversificar, para dar chance de todos participarem.

Fonte e foto: Assessoria.