O suspeito pela morte de Emanuel Nunes Sobrinho ocorrida na madrugada do dia 20 de abril em São Jorge D’ Oeste se apresentou a policia na manhã desta terça feira (23). Valmir Fuhr se apresentou na Delegacia de Polícia Civil de São João acompanhado da Advogada a Dr. Lia Helena Daron Cavejon.

Em entrevista ao repórter Douglas Nunes da Rádio São João, Cavejon destacou a versão do suspeito sobre o fato. “O suspeito principal é o senhor Valmir Fuhr que me procurou para providenciar uma defesa para ele e eu então orientemos ele a se apresentar perante a delegacia de Polícia Civil o que foi realizado na manha desta terça feira 23 de abril onde ele relatou a versão dele dessa situação contando como ocorreram os fatos sendo que haviam sido divulgadas algumas informações prestadas por pessoas que estiveram no local ele então procurou contar a versão dele. Então o que tudo indica e segundo o senhor Valmir Fuhr houve uma briga como a própria mãe dele já havia relatado entre os dois e nesta briga esta pessoa falecida tomou posse desta arma desta faca e começou a brigar, teve ali vias de fato com o seu Valmir e foi neste momento que a principio tentou se defender e conseguiu depois de uma luta corporal pegar a faca da mão do outro individuo e acabou ocorrendo neste homicídio, mas ele já relatou essa situação junto a delegacia e o processo seguirá os tramites normais”, frisou a advogada.

A advogada acredita que a casa do suspeito foi incendiada em forma de represaria da morte de Emanuel Nunes Sobrinho. “O que tudo indica tem sim uma ligação. Seria uma espécie de represaria nessa situação. A queima da casa do seu Valmir realmente ocorreu na madrugada de domingo para segunda feira onde a casa foi totalmente destruída. Diante do fato da ocorrência do fato do homicídio e posteriormente a queima da casa provavelmente sim tenha uma ligação uma espécie de vingança ou algo assim. Não se sabe pro quem e nem exatamente como ocorreu, mas em contato com o Delegado de Polícia Civil o inquérito já foi instaurado e tudo esta sendo investigado e o próprio senhor Valmir já foi ouvido sobre esta situação do incêndio também considerando o prejuízo que ele teve até porque não se justifica um fato pelo outro. Então este delito do incêndio também esta sendo investigado para averiguar exatamente o que aconteceu e quem foi o responsável”, concluiu a Dr. Lia

Após ser ouvido, Valmir Fuhr foi liberado.