Em tempos onde o acesso às vacinas é amplamente facilitado, algumas doenças são erradicadas. Este era o caso do sarampo, mas que devido a imigração de pessoas não-imunizadas, voltou a aparecer no Brasil. Ainda que nossa região não apresente nenhum caso da doença, a Secretaria de Saúde de Chopinzinho reforça a importância da vacinação e de todos conferirem suas carteirinhas para verificar se estão devidamente imunizados.

O sarampo é uma doença infecciosa grave. É transmitida pelas vias respiratórias, como tosse, fala e mesmo respiração próxima a outras pessoas. Hoje, a única maneira de evita-la é com a vacina tríplice viral – que também protege contra rubéola e caxumba – e que faz parte do calendário nacional de vacinação. “Como é uma vacina que existe há muito anos, os adultos de hoje receberam a dose quando criança. Então estamos à disposição na Secretaria de Saúde para avaliar as carteiras de vacinação e de quem de fato precisa de mais doses”, explica a enfermeira chefe da Vigilância Epidemiológica, Lídia Simionatto.

Adultos só precisam se vacinar se não tiverem com o esquema de vacinação completo. Vale lembrar que algumas pessoas receberam a vacina como dupla viral ou tetra viral. Pessoas de 1 a 29 anos de idade devem tomar duas doses. De 30 a 49 anos, uma dose. Em função dos novos casos, surgiu a dose zero, que é uma dose extra para bebês entre 6 meses até 1 ano completo.

Na 7ª Regional de Saúde, que Chopinzinho faz parte, não há nenhum caso de sarampo. Já o Paraná apresenta 7 casos. A situação está controlada no Estado, mas é necessário manter estado de alerta. A orientação é de que em caso de sintomas, o paciente deve procurar atendimento médico.

Fonte: Assessoria.