A 1ª Corrida e Caminhada da Polícia Civil de Palmas, realizada na manhã deste domingo(12) contou com mais de duzentos participantes. O número de inscritos foi comemorado pelo Delegado de Polícia, Vyctor Grotti, um dos organizadores do evento, que visa maior inserção da instituição na vida da comunidade.
17264864_392438084466852_5627632841079410734_n
  • Compartilhe no Facebook

Com o tema “Por Delegacias Sem Presos” a Corrida, com percurso de seis quilômetros foi disputada em várias categorias: Geral, Palmense, Polícia Civil e Infantil. Foram premiados do 1º ao 3º colocados e medalhas de participação. Para a caminhada o trajeto foi de três mil metros. A largada e chegada ocorreram em frente a Delegacia de Polícia de Palmas.

Conforme o Delegado da Comarca, o objetivo do evento esportivo é estreitar os laços com a comunidade e mostrar os trabalhos desenvolvidos pela Polícia Civil. “Primeiramente, queria agradecer todos os envolvidos nesse projeto, que acreditaram nele”, disse o delegado acrescentando que a Polícia Civil,  deve ultrapassar essa barreira de ação repressiva e colocar-se como instituição com responsabilidade social.

“Queremos instituições comprometidas com o serviço público, com tudo aquilo que possa beneficiar a sociedade. Tenho orgulho da instituição a qual pertenço e acredito que, com cada ato, podemos transformar a Polícia em um órgão verdadeiramente democrático e compromissado com os seus deveres”, finalizou. Anunciou ainda que há vários projetos sociais previstos de realização em conjunto com outras instituições do município.

Em relação ao lema do evento( Por uma Delegacia Sem Presos), destacou que o objetivo foi chamar atenção para o problema que vive a Delegacia da Comarca e as demais  do Paraná,  que enfrentam  superlotação em suas carceragens provisórias. Em Palmas, revelou o Delegado, há aproximadamente 80 detentos, superando a capacidade máxima do sistema carcerário local. No Paraná, são 10 mil presos em Delegacias e, a Polícia Civil, que tem função investigativa acaba empregando suas forças na custódia de presos, portanto, portanto, fora de suas atribuições.