Aproximadamente seis mil eleitores poderão se abster do voto no próximo dia 02 de outubro nas eleições municipais em Palmas, sul do Paraná. A projeção é baseada no percentual de não comparecimento às urnas nas eleições para prefeito e vereadores, em 2012. No último pleito, 19,53% dos 27.829 eleitores não compareceram para votar, tendo sido computados apenas 22.393 votos. Desde 2000 o percentual médio de não comparecimento é de 16,75%. Com esse parâmetro, cinco mil dos 29.998 eleitores não irão votarão no próximo domingo.

Nas eleições municipais de 2008, com 26.068 eleitores, 4.351 (16%) não votaram. O pleito de 2004 foi o que apresentou menor índice de abstenções,13.93%. Naquele ano, 3.363 dos 24.133 votantes não foram às suas respectivas sessões. Em 2000, por exemplo, com índice de 17,33% apenas 17.436 dos 21.148 eleitores votaram.

Além das questões vinculadas à diminuição da participação no processo político/eleitoral do município,  o número de abstenções influencia diretamente na quantidade de votos necessários para a eleição dos vereadores. O chamado coeficiente é calculado dividindo as vagas na Câmara pelo número de votos válidos. Ou seja, após descartar os votos brancos, nulos e as abstenções, chega-se a um número de votos válidos que no caso será divido por 13. No último pleito os votos validos para vereadores foram 21.289. Isso significou  que a cada 1.637 votos.

O colégio eleitoral de Palmas teve aumento de 41,84% entre 2000 e 2016. O município tem 117 seções eleitorais distribuídas em 29 locais de votação, na cidade e interior. Além da área central, o maior colégio eleitoral está localizado no bairro Lagoão, com 8.118 votantes, 27% do eleitorado. Os eleitores que residem no interior do município  882, distribuídos em quatro localidades distintas.