A UTFPR de Francisco Beltrão recebeu a comunidade para apresentar a proposta do novo curso de Agronomia, que poderá ser implantado já no próximo ano. Na oportunidade lideranças empresariais, políticas e da sociedade civil organizada conheceram as particularidades da graduação, expressaram seu apoio e anseios. A audiência aconteceu no anfiteatro do campus, na sexta-feira (dia 12), às 11h.

O professor Hernan Vielmo, integrante da comissão que estudou a viabilidade do curso, apresentou de forma dinâmica a Agronomia 4.0. Com um foco inovador, a graduação é voltada à agricultura de precisão, tecnologias agroindustriais, produção agrícola sustentável e empreendedorismo rural. A comissão responsável pela proposta é de profissionais da área de agronomia dos três campus da UTFPR do sudoeste do Paraná: os professores Hernan Vielmo, Eder da Costa dos Santos, Luciano Lucchetta e João Francisco Marchi de Francisco Beltrão, Lucas Domingues de Dois Vizinhos e José Abramo de Pato Branco. “Com Francisco Beltrão ofertando a agronomia será possível criar o Centro de Ciências Rurais dos campi do sudoeste com fortes ações em pesquisa e soluções direcionadas às demandas”, finalizou Vielmo.

Lideranças

Compuseram a frente de honra da audiência o reitor da UTFPR, Luiz Alberto Pilatti, o vice-prefeito de Francisco Beltrão, Antônio Pedron, a deputada estadual, Luciana Rafagnin, a chefe do Núcleo Regional de Educação (NRE), Maria de Lourdes Bertani e Assis do Couto.

  • Compartilhe no Facebook

Joao Marchi, o diretor do campus, Alexandre Alfaro, Eder dos Santos, o reitor Luiz Alberto Pilatti, Hernan Vielmo e Luciano Lucchetta. Foto: Divulgação.

Para o vice-prefeito, Antônio Pedron, “o processo foi pensado de forma muito inteligente, pensando conteúdo, redução de custo e otimização de professores e estrutura. Para melhorar o sudoeste precisamos investir na educação e é importante a fixação do nosso produtor no campo, a agronomia ajudará”, destacou.

A deputada estadual Luciana Rafagnin destacou a importância já que “serão mais oportunidades, mais vagas para o ensino superior público e a agronomia tem muito a ver com nossa região, que é em sua maioria formada por pequenas propriedades de agricultura familiar”.

O reitor, Luiz Alberto Pilatti, destacou que com a implantação da Agronomia o campus vai dar um salto. “O curso é inovador, com as parcerias necessárias Francisco Beltrão e o sudoeste vão ganhar muito”

Engenharia 4.0

A graduação terá a duração de cinco anos, sendo que nos primeiros quatro anos, o estudante terá as disciplinas que são a base da engenharia agronômica com metodologias ativas e aprendizado baseado em projetos e, no último ano o desenvolvimento de expertises nas áreas de empreendedorismo rural, tecnologia agroindustrial, produção sustentável e agricultura de precisão.

“As expertises estarão alinhadas para estimular no estudante a visão empreendedora, para o próprio negócio, viabilizando a permanência na propriedade o que contribui para a sucessão familiar, um dos grandes gargalos para o desenvolvimento regional”, enfatiza Eder dos Santos.

O curso contará ainda com dois estágios, ambos alinhados com a expertise escolhida possibilitando ao acadêmico uma ampla vivência na área.

Assessoria.