Nesta quarta-feira (24) está completando 13 dias que professores e técnicos da Unioeste decidiram entrar em greve. A paralisação ocorre após as categorias recusarem a proposta de pagamento da data-base oferecida pelo Governo, prevendo reajuste de 5,09%, de forma parcelada até 2022. No total são nove pautas que estão sendo abordadas.

Em entrevista a Rádio Onda Sul FM, o Presidente da Associação dos Agentes Universitários da Unioeste de Francisco Beltrão, João Paulo Rocha, falou que as reivindicações não estão restritas apenas a reposição salarial, no total são nove pautas discutidas.

“Na manhã de segunda-feira fizemos uma reunião com os alunos, a título de informações sobre os próximos passos da paralisação, ontem tivemos duas assembleias em Cascavel, uma dos docentes e outra dos técnicos, e decidimos pela manutenção até quarta ou quinta-feira da próxima semana, quando organizaremos outras assembleias para fazermos uma análise da situação”. Paulo ressalta que essas aulas que não estão sendo ministradas, serão repostas. “Os alunos não irão perder nada, eles terão as reposições de todas essas aulas e irá concluir o curso normalmente como sempre foi”.

Confira a entrevista na íntegra:

 

Lei também:
Funcionários da Unioeste Campus Francisco Beltrão entram em greve