Depois de 30 dias com os trabalhos paralisados, os professores da rede estadual de ensino suspenderam na manhã desta segunda-feira (09) a greve geral, mas permanecem em estado de greve caso o governo descumpra as medidas anunciadas nos últimos dias. A medida foi adotada durante assembleia realizada no Estádio Durival Britto e Silva, na Vila Capanema, em Curitiba.

Com o retorno das atividades, aproximadamente 900 mil alunos devem iniciar o ano letivo de 2015, no dia 12. A partir desta terça-feira (10) o trabalho será para professores e funcionários nas mais de 2,1 mil escolas.

“A APP Sindicato foi convidada para uma reunião de conciliação organizada pelo desembargador que teria enviado uma liminar ao nosso sindicato e que só entregou na sexta-feira (06) pela manhã. Nessa reunião houve alguns avanços, não foram tantos, mas o governo do estado assinou uma carta de compromisso se comprometendo a cumprir todos os pontos discutidos que eram reivindicações da categoria. Nós cedemos um pouco, o governo cedeu e a gente decidiu que era hora de retornar”. Comenta a representante da APP em Chopinzinho, Ivone Ferreira.


DELIBERAÇÕES DA ASSEMBLEIA ESTADUAL EXTRAORDINÁRIA

MOBILIZAÇÃO

1. Suspensão da greve e reinstalação do estado de greve: unidade da categoria e retorno à greve sob qualquer ameaça aos direitos.

2. Após a assembleia estadual ato de encerramento da greve no acampamento, local que teve um papel importante de manutenção e resistência da nossa greve.

3. Retorno às escolas com dois dias para organização das escolas e colégios (terça e quarta-feiras). Início das aulas na quinta-feira, dia 12/03.

4. Recepção aos pais, mães e estudantes com carta de agradecimento à comunidade escolar, no dia de retorno às aulas.

5. Debate com os(as) alunos(as) sobre todo processo da greve, principalmente nos primeiros dias do retorno (aula inaugural).

6. Reunião com pais, mães e responsáveis para debate de todo processo da greve.

7. Jornal 30 de Agosto organizativo do final da greve. Produção de materiais sobre a greve (inclusive vídeo).

8. Agradecimentos à comunidade em geral, aos que fizeram doações no acampamento, imprensa, câmaras municipais, movimentos sociais e sindicais, todas as instituições, etc.

9. Fortalecimento das comissões escolares e dos conselhos regionais.

10. Uso contínuo dos materiais da greve (camisetas, botons, adesivos).

11. Atas notariais – reconhecimento jurídico das condições da escola, com filmagens, fotos e relatos.

12. Em todo dia 12 de cada mês que for letivo, realizar atividades nas escolas e nos Núcleos Sindicais com a memória da greve. Dia “EU TÔ NA LUTA”. Debater também nestes dias a situação das escolas.

13. Amplo debate sobre a Paranaprevidência / defesa da nossa a proposta / vigilância permanente. Realizar um seminário sobre o tema, produzir materiais e tudo que for preciso para defesa da nossa previdência.

14. Campanha pelo direito de greve – defesa dos trabalhadores. Carta de apoio às demais categorias que estão em greve. Não aceitamos a judicialização da greve.

OUTROS ASSUNTOS:

– Aprovada a realização da assembleia estadual ordinária de prestação de contas até o final do mês de abril.

– Aprovada a contribuição extra de uma mensalidade sindical no mês de março/2015 para pagamento das despesas da greve (ônibus, acampamento, estrutura das assembleias).