Palestra sobre direito do consumidor e neurociência / Foto:Assessoria
  • Compartilhe no Facebook

Palestra sobre direito do consumidor e neurociência / Foto:Assessoria

O Cesul (Centro Sulamenricano de Ensino Superior) recepcionou os acadêmicos do curso de direito, na noite desta segunda-feira (13) para o início do ano letivo. Com a aula magna ministrada pelo DR. Marco Trevisan, o tema debatido foi “Direito do Consumidor e Neurociência”. Na oportunidade foi comunicado aos estudantes o conceito máximo que o curso obteve pelo Ministério da Educação (MEC), após avaliação realizada em 2016.

+ Curso de Direito do Cesul obtém conceito 5 em avaliação do MEC

Pela primeira vez em Francisco Beltrão, Trevisan disse que a o estudo da neurociência está presente na maioria das profissões, mas na área jurídica, aos poucos está ganhando espaço, “o cérebro é responsável por tudo o que a gente faz, nosso comportamento, forma de viver, expressar, conviver. Então, quanto mais a ciência avança nesse estudo de como o cérebro funciona, mais campo se abre para aplicação da neurociência. Talvez o direito seja um reduto que a neurociência mais timidamente tocou”.

Com a presença dos acadêmicos de todos os períodos, o Diretor Geral do Cesul, Arni Deonildo Hall, disse que todo início de ano letivo são propostos temas importantes para fomentar o debate, “todos os anos fizemos a abertura com um tema importante. O tema de hoje sobre direito do consumidor e neurociência foi uma belíssima palestra. Alguma coisa que vai além do dia do acadêmico que provoca discussões na comunidade”.

 

Conceito 5

Na última sexta-feira (10) o Cesul recebeu a informação que o curso de direito obteve conceito 5, na avaliação realizada pelo Ministério de Educação (MEC).

Uma equipe do MEC esteve em Francisco Beltrão no ano passado. Na oportunidade foram avaliados desempenho de estudantes, infraestrutura e instalações, recursos didático-pedagógico e corpo docente.

Para o Diretor, “é um conceito de excelência e nos coloca entre os melhores cursos do Brasil. Motivo que orgulha Francisco Beltrão”. Na região, a entidade foi a única a conquistar a nota máxima no curso de direito. Poucas instituições a nível nacional conseguem chegar a esse patamar.