Na última semana, o Conselho Superior (Consup) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná (IFPR) autorizou o Campus Palmas a ofertar o curso de pós-graduação lato sensu – Especialização em Linguagens Híbridas e Educação. A expectativa é de que ainda no segundo semestre de 2017 as atividades do curso tenham inicio, com a seleção dos acadêmicos e a introdução das primeiras disciplinas.

Foto:Reprodução/Facebook
  • Compartilhe no Facebook

Foto:Reprodução/Facebook

Conforme o coordenador da pós-graduação, professor Dr. Jacob Biziak, o colegiado de Letras do IFPR Palmas já havia formatado uma proposta para o curso, que foi encampada pelos professores, em diálogo com demais colegiados, de acordo com a temática da especialização.

Ele ressalta o foco do curso na área educacional, sobretudo para a formação de docentes, uma vez que as linguagens híbridas são temas recorrentes no setor acadêmico. “Nós utilizamos o termo hibridismo para retratar a mistura. As linguagens nunca apareceram isoladas, mas hoje existe uma tendência de considerarmos tudo aquilo que é uma mistura, por exemplo, do filosófico, do literário, do cinematográfico, do publicitário,  de ser entendido de maneira positiva e produtiva. E isso tem de estar no ambiente escolar”, explica. Ouça a entrevista:

Coordenado pelo colegiado de Letras, o curso de especialização conta também com a participação de outros colegiados, como Artes Visuais, Educação Física, Pedagogia, entre outros.

Destaca Biziak, que o curso, seguindo o projeto político-pedagógico do Instituto Federal, de verticalização do ensino, buscará instrumentalizar profissionais docentes e os próprios egressos, principalmente, das licenciaturas do Campus Palmas. “Vários alunos se formam e, de repente, no caso de uma pós-graduação, ele têm de buscar fora daqui. Como entendemos que a educação é um dos principais elementos que dão suporte às transformações, nós sentíamos falta de uma pós-graduação, gratuita. Mas não são somente os alunos de licenciaturas o nosso público. Teremos disciplinas que abordarão o uso da tecnologia na educação. Então, acadêmicos do nosso curso Sistemas de Informação, por exemplo, também poderão ingressar na especialização”, salienta.

O professor estima que ainda neste segundo semestre o curso entrará em atividade. Informa que a coordenação da pós-graduação e a direção do Campus deverão se reunir para definir os trâmites, como a elaboração de edital de seleção e o modelo do processo seletivo, que deverá ocorrer através de prova objetiva e também escrita. “Conversando com alguns docentes, a estimativa é que nós ofereçamos, pelo menos, uma ou duas disciplinas neste ano. Numa projeção até ousada, talvez em outubro, essa pós-graduação já esteja em atividade”, prevê.