Com a finalização dos processos de seleção e ingresso em cursos técnicos e superiores, Palmas deverá se tornar o maior Campus do Instituto Federal do Paraná em número de estudantes, à frente, inclusive, do Campus Curitiba. A estimativa é se aproximar de 2,4 mil acadêmicos em 13 cursos de graduação e dois técnicos.

De acordo com o diretor do Campus, professor Luciano Martignoni, os processos de matrículas de novos estudantes e rematrículas dos veteranos ocorreram dentro da normalidade e deverão ser concluídos até o final do mês, quando será levantado o número oficial de acadêmicos. “Chegamos à nossa capacidade máxima para oferta de vagas nos cursos noturnos. Para o período diurno, estamos trabalhando para ampliar o número de cursos, tanto de graduação como técnicos”, informou.

Destacou que o Campus tem alcançado bons índices dentro do Termo de Acordo de Metas dos Institutos Federais, mesmo diante de dificuldades, como um número ainda reduzido de professores e de técnicos administrativos. “Podemos dizer que hoje o Campus Palmas tem uma eficiência acima da média, pelo número de alunos que atende, dentro das nossas condições de pessoal e orçamento”, ressaltou.

Salientou Martignoni, que a direção tem buscado melhorar as condições de trabalho de diferentes formas, sendo uma delas, o reenquadramento do Campus Palmas. Explicou que diante da demanda regional, Palmas deve ser enquadrado como um Campus 150/100. “Isso significa que nós poderemos ter 150 professores e 100 técnicos. Além disso, temos a perspectiva também de nos transformar em um Campus Agrícola, o que nos dará melhores condições orçamentárias e de pessoal.”, analisa.

Sobre esse ponto, o diretor destaca a importância do apoio da sociedade e das representações municipais em âmbito federal. “Esse é um trabalho que deve ser feito diretamente com o Ministério da Educação e é a nossa meta para 2017. Se não conseguirmos esse reenquadramento, poderemos começar a enfrentar dificuldades, principalmente no tocante à vinda de novos professores para o Campus”, afirmou.