A reitoria do Instituto Federal do Paraná (IFPR), em resolução publicada no dia 11 deste mês, abriu possibilidade para que as unidades da instituição desenvolvam atividades remotas durante o período de suspensão do calendário acadêmico.

O Colegiado Gestor do Campus Palmas, diante desta possibilidade, iniciou uma série de levantamentos das condições sociais, familiares e econômicos dos acadêmicos e decidiu por, momentaneamente, não ofertar atividades remotas para a substituição das atividades presenciais.

Conforme a diretora de ensino, pesquisa e extensão do Campus, Débora Mergen Lima Reis, em entrevista à Rádio Club/RBJ, foram levados em consideração diversos aspectos,  como a realidade social local e regional, que caracteriza os estudantes como maioria trabalhadora; o impacto na saúde física e mental dos estudantes e servidores; e os impactos econômicos que a pandemia tem refletido sobre a realidade de muitas famílias de estudantes.

Apesar da suspensão de ações presenciais, os servidores do IFPR Palmas tem seguido com seus trabalhos de forma remota, seja no desenvolvimento de atividades de apoio à comunidade na prevenção e enfrentamento da pandemia, como no acompanhamento de estudantes em projetos e trabalhos de conclusão de cursos.

Destacou ainda os trabalhos que são realizados na fabricação de máscaras e outros materiais para entidades e órgãos de saúde da região, além do apoio no âmbito social, com o pagamento de auxílios e entrega de cestas básicas para alunos em situação de vulnerabilidade.

Salienta porém, que a decisão de não ofertar atividades remotas se baseia na realidade atual, e que o Campus pode, eventualmente, mudar de posição, conforme as alterações no cenário da pandemia e nas decisões da reitoria da instituição. Ouça no player abaixo: