Período de greve dos professores e técnicos que atuam na Unioeste Campus Francisco Beltrão, começou nesta quinta-feira (11). A paralisação ocorre após as categorias recusarem a proposta de pagamento da data-base oferecida pelo Governo, prevendo reajuste de 5,09%, de forma parcelada até 2022.

Em entrevista a Rádio Onda Sul, o Presidente da Associação dos Agentes Universitários da Unioeste de Francisco Beltrão, João Paulo Rocha, comentou sobre essa paralisação.”O motivo da greve é exatamente a reposição da inflação, já fazem quatro anos que não temos essa reposição, temos uma perda salarial de quase 18%. Dentro da universidade nós temos dois setores, os agentes administrativos e os docentes que são os professores, e as duas categorias estão paralisadas”. Segundo, João Paulo, a greve não tem data para terminar, e enquanto isso a Unioeste não estará realizando atendendo ao público externo.

Além de Francisco Beltrão, a greve se estende aos campus de Foz do Iguaçu, Toledo, Marechal Cândido Rondon e Cascavel.

Outros setores do funcionalismo público também seguem com braços cruzados.