O Governo do Paraná autorizou a contratação de horas para professores temporários de cinco universidades estaduais. O anúncio da aprovação foi feito na noite desta segunda-feira (29) durante reunião com reitores, em Curitiba.

Em julho, o governo havia dito que não iria autorizar a contratação de professores temporários para o segundo semestre das cinco universidades estaduais, por que as instituições tiveram gastos demais com horas extras e sem autorização. Parte das universidades argumentaram que, sem os professores temporários, alguns cursos ficariam sem aulas.

De acordo com Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), as seguintes universidades receberam autorização: Universidade Estadual de Maringá (UEM): 18.000 horas; Universidade Estadual de Londrina (UEL): 8.366 horas; Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG): 7.500 horas;
Universidade Estadual do Paraná (Unespar): 10.500 horas; Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste): 8.435 horas.

Em Francisco Beltrão

Na Unioeste Campus Francisco Beltrão, são aproximadamente 60 professores temporários, que tem os seus contratos vencidos nesta quarta-feira (31). Se o calendário letivo da universidade for suspenso, devido a greve dos professores e técnicos que atuam na Unioeste, não terá liberação de horas para professores temporários.

A greve começou no dia 11 de julho e ainda não tem previsão para terminar. A paralisação ocorre após as categorias recusarem a proposta de pagamento da data-base oferecida pelo Governo, prevendo reajuste de 5,09%, de forma parcelada até 2022, entre outras reivindicações.

Leia mais:
– Funcionários da Unioeste Campus Francisco Beltrão entram em greve

– Unioeste mantém estado de greve em Francisco Beltrão