Passando de município em município na madrugada de segunda-feira (09) professores e profissionais ligados a educação, embarcavam nos ônibus com direção a Curitiba. Objetivo, intensificar o movimento deflagado no dia 07, em Guarapuava e precionar o governo, lideranças e deputados a não aprovar o Pacote de Medidas, encaminhados para Assembleia Legislativa do Paraná, na semana passada.

Vários cartazes demonstravam a indignação da categoria.
  • Compartilhe no Facebook

Vários cartazes demonstravam a indignação da categoria.

Reunidos na Praça Nossa Senhora da Salette em frente aos poderes legislativo e executivo, nesta terça-feira (10) mais de 15 mil educadores gritavam, “Richa caloteiro, Richa caloteiro…” ou “Beto Richa assim não dá, você quebrou o Paraná”.

Pela manhã representantes da APP Sindicato e a liderança do governo se reuniram para chegar a um acordo, mas até as 13 horas, não se teve nenhuma resposta positiva. Com isso a sessão na Alep, às 14h30, comessou com muita pressão. Os políticos opositores, defenderam os profissionais, já quem era favorável ao projeto, pouco se manifestou.
A sessão estava sendo transmitida em tempo parcial para quem estava na praça. Um painel colocado ao lado do caminhão de som, mostrava em colunas, os deputados que votam sim, não e indeciso.

 

 

Ocupação

Com o clima tenso, o deputado Ademar Traiano (PSDB) abriu o processo de votação para os projetos serem aprovado em Regime de Comissão Geral, significa que não precisaria passar pela análise das comissões antes de entrar no plenário. Por 34 a 19, foi aprovado.

Ocupação do plenário.
  • Compartilhe no Facebook

Ocupação do plenário.

Após a primeira derrota, lideranças sindicais ordenaram que a assembleia fosse ocupada. Em 10 minutos, os manifestantes estavam em todas partes do prédio e com isso a sessão foi interrompida.

“Eu acho que o governo fez tudo para que chegasse a esse ponto. Avisamos que o projeto deveria ser retirado, rediscutido. O líder do governo não quis ouvir ninguém e na primeira votação que era para transformar o plenário em comissão geral, o paranaense não pode aceitar que numa única sessão se decida o futuro do funcionalismo”. Comenta o Deputado Estadual, Nelson Luersen (PDT) minutos depois do plenário ser ocupado pelos professores.

Segundo o Deputado Professor Lemos (PT) “neste momento estamos trabalhando para negociar com governo para que retire esses projetos, porque eles são prejudiciais aos serviço público e servidores”.

 

APP Sindicato

??????????
  • Compartilhe no Facebook

Presidente APP Sindicato

A principal entidade sindical da categoria, intensificou ontem a participação de mais pessoas para fortalecer a greve. Após tomar conta da Alep, o presidente da APP Sindicato, Hermes Silva Leão, ordenou para que barracas fossem levadas para a parte interna, dificultado para a segurança a retirada dos manifestantes e não possibilitando o retorno da votação.

“Quando eles aprovaram Comissão Geral, não tivemos alternativa se não fazer a ocupação. Somos tão desrespeitado que não tínhamos outra alternativa a não ser impedir a votação. É um ato pacifico, não temos objetivo de machucar ninguém”.

 

Apoio

Apoio dos estudantes.
  • Compartilhe no Facebook

Apoio dos estudantes.

Os estudantes da rede estadual de ensino demonstraram seu respeito e carinho pelos educadores. Próximo às 11 horas, estudantes chegaram a praça cantando e segurando faixas de apoio a greve.

Profissionais de outros setores públicos também se mostraram solidário a manifestação, caso da saúde e agentes penitenciários.

 

Votos

Veja a relação dos deputados do sudoeste do Paraná que votaram contra ou a favor da criação da Comissão Geral, a qual possibilita aprovar os projetos com mais agilidade.

A favor

Guto Silva (PSC)

Paulo Litro (PSDB)

Wilmar Reichembach (PSC)

Contra

Nelson Luersen (PDT)

Nereu Moura (PMDB)

Não votou

Ademar Traiano (PSDB), por ser presidente, não vota.