Sondagem pelo Jornalismo da Club/RBJ demostrou otimismo dos empresários de Palmas com as vendas, mesmo em período de pandemia, nos segmentos de supermercado, farmácia, móveis e eletro, calçados e confecções, materiais de construção e posto de combustíveis.

Um dos setores, entretanto, que sofre significativa queda é o comércio de combustíveis.  Os donos de restaurantes, bares e entretenimentos só acumulam perdas neste período. Segundo a gerente de um dos postos, Keiti Freitas Alves, aproximadamente 30% da clientela deixou de abastecer nos últimos meses ou  reduziu significativamente o consumo. Já no departamento de vestuário e calçados, a redução estimada está em 15% no ano. Para o sócio-proprietário do grupo com nove lojas, Sérgio Zanoello, a redução é aceitável diante das projeções existentes no inicio da pandemia de COVID-19.

No ramo de móveis e eletros a demanda permaneceu estável, com aumento na venda de estofados e utensílios de cozinha. Três segmentos estão em alta no, supermercados, farmácias e materiais de construção. Os medicamentos e orientações alavancaram as vendas em até 30%.

Na avaliação dos comerciantes, repasse de recursos através dos  auxílios dos governo Federal e Estadual, foram os responsáveis pelo acréscimo nas vendas, principalmente nos supermercados. Considerado como essencial, o setor alimentício teve elevação média de 15%, nos últimos meses. Conforme o empresário do setor, Neri Antonio Tonial, a economia local também manteve as vendas aquecidas, visto não tiveram suas atividades industriais não foram afetadas e não foram paralisadas

Um dos comércios que teve suas atividades inclusas como essencial, o ramo de materiais de construção se apresenta em evolução no quadro econômico. O empresário Jerri Marini, avalia que o segmento segue em ascendência em todo país. Para o empresário, como as pessoas tem ficado mais em casa observam as necessidades existente, e aproveitam esse momento para realizar reformas e melhorias.  Ouça no player a avaliação de cada representante comercial