A movimentação financeira das exportações do setor industrial de Palmas sofreu queda de 34,5% em julho na comparação com o mês anterior. No acumulado dos sete primeiros meses do ano, o resultado de 2019 é 15,8% menor que o registrado no mesmo período de 2018. Os números foram levantados pelo Setor de Estatísticas da Rádio Club/RBJ junto ao Ministério da Economia.

No último mês, as vendas de madeira compensada, carne suína, substâncias farmacêuticas, artigos metalomecânicos, entre outros produtos, totalizaram US$ 9,1 milhões. Em junho, as cifras atingiram US$ 13,4 milhões.

A redução se deve, em partes, ao volume menor de embarques. Em junho, foram exportadas 19,6 mil toneladas, enquanto que no mês seguinte foram 14,9 mil toneladas.

A madeira compensada teve uma redução de 21% no volume exportado entre junho e julho, o que refletiu, consequentemente, na movimentação financeira, que caiu de US$ 8,4 milhões para US$ 5,9 milhões.

A carne suína, que somou mais de 1,3 mil toneladas exportadas em junho, também apresentou queda, com a comercialização de 615 toneladas em julho.

No setor farmacêutico, a heparina e sais, que tem toda a sua produção exportada para a Espanha, registrou a geração de US$ 1,5 milhão no último mês, 28% menos que o contabilizado em junho.

No acumulado de janeiro a julho, a movimentação financeira das exportações palmenses somam US$ 91,8 milhões, 15,8% menos que os US$ 108,98 milhões registrados nos sete primeiros meses de 2018.

Com exceção da carne suína, os demais produtos da matriz exportadora do município apresentam redução comparados a 2018. A madeira compensada, por exemplo, apesar de registrar volume maior de embarques neste ano, contabiliza US$ 68,8 milhões em exportações, cifra 21% menor que o calculado no ano passado.

A heparina apresenta queda de 8%, enquanto que a carne suína apresentou crescimento de 60%, passando de US$ 6,3 milhões para US$ 10,1 milhões. Essa evolução, foi motivada pelo aumento no volume exportado. Entre janeiro e julho do ano passado, foram exportadas 2,8 mil toneladas de carne. Neste ano, o volume foi de 4,8 mil – crescimento de 70%.

  • Compartilhe no Facebook