O 13º salário deverá injetar R$ 19,9 milhões na economia de Palmas, Sul do Paraná, neste final de ano, segundo estimativa do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Para o cálculo, são levados em conta dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), ambos do Ministério do Trabalho. O valor é um pouco menor do que o estimado no ano passado, quando se estimou em R$ 20,2 milhões o montante referente ao 13º.

De acordo com o Dieese, para o cálculo são considerados todos os assalariados com carteira assinada, empregados no mercado formal, nos setores público e privado, que trabalhavam em dezembro de 2016, acrescido do saldo do Caged entre janeiro e agosto deste ano. Em Palmas, o departamento aponta 10.768 empregos.

Para o salário médio, é levantado o valor de 2016, atualizado pelo INPC (Índice Nacional de Preço ao Consumidor), cerca de 3,32%, colocando o valor médio do 13° em R$ 1.855,35.

Ainda na região Sul do Paraná, em União da Vitória, o salário extra deverá representar mais R$ 26,7 milhões. No Sudoeste, em Pato Branco serão mais R$ 70,8 milhões, e em Francisco Beltrão, R$ 51,1 milhões. O levantamento do Dieese refere-se aos 40 maiores municípios do Estado em população.

A 1ª parcela do 13º deve ser paga até o dia 30 de novembro, tendo como base a última remuneração do empregado e representa metade do salário. Já a 2ª usa como referência o mês de dezembro e deve ser paga até o dia 20 do mês. No caso dos trabalhadores que recebem salários variáveis, por meio de comissões ou percentagens, o 13º deve perfazer a média anual de salários.