O setor industrial de Palmas, Sul do Paraná, exportou aproximadamente US$ 97,2 milhões (dólares) nos oito primeiros meses do ano. Mesmo com uma queda de 5% comparado ao mesmo período de 2015, nos meses de julho e agosto o setor se recuperou, ultrapassando os valores exportados nos mesmos meses do ano passado.

Enquanto que no primeiro semestre o município registrava uma redução de mais de 11% nas exportações, agora o percentual passa para pouco mais de 5% demonstrando a evolução do setor nos últimos dois meses.

A madeira compensada movimentou cerca de US$ 73,9 milhões com a venda de aproximadamente 157 mil toneladas ao exterior. As exportações do setor farmacêutico através da heparina, geraram cifras superiores a US$ 14,1 milhões, enquanto que a indústria frigorífica, com a venda de mais de 3,2 mil toneladas, faturou US$ 6,8 milhões.

Ainda no setor de alimentos, miudezas comestíveis de origem animal, movimentaram cerca de US$ 1 milhão. Constam ainda na pauta de exportações de Palmas, resíduos de madeira e artefatos de uso doméstico, somando pouco mais de US$ 1,1 milhão.

Nas importações, o setor produtivo de Palmas investiu US$ 849,3 mil na compra de implementos para a indústria, veículos para movimentação de cargas, centrifugadores, válvulas de pressão, entre outros. No entanto, o produto líder nas importações foi o milho, com a compra de 1,5 mil toneladas do grão – cerca de US$ 307 mil.

Estados Unidos, Reino Unido, Espanha, Bélgica, Hong Kong, Alemanha, África Do Sul, México, Austrália, Holanda, Jamaica e Porto Rico são os principais compradores da produção palmense, além de Itália, Argentina, Dinamarca, Irlanda, França, Líbano, Turquia, entre outros.

O município segue entre os 20 maiores exportadores do Paraná e entre os 220 maiores exportadores do Brasil. Entretanto, considerando o saldo da balança comercial,  que é o resultado das exportações menos o total de importações, Palmas tem um superávit de US$ 96,3 milhões, o que o coloca na 12ª colocação no Estado e na posição 137 em nível nacional.