Estudo do Banco Mundial, divulgado nesta terça-feira (31), aponta que 22% da população brasileira vive abaixo da linha da pobreza. A instituição adotou uma nova métrica para o cálculo, colocando 45,5 milhões de brasileiros nessa faixa. Os dados são referentes ao ano de 2015. Dentro desse cenário, mais de 45% da população de Palmas, Sul do Paraná, está abaixo da linha da pobreza.

Tradicionalmente, o parâmetro utilizado pelo Banco era o do número de pessoas que vivem com menos de US$ 1,90  por dia. A nova metodologia busca complementar o estudo, com valores ajustados à realidade de cada país.

A nova linha utiliza o cálculo de pessoas que vivem com menos de US$ 5,50 por dia, valor que corresponde à média das linhas de pobreza de países de renda alta, no qual o Brasil está incluído.

Conforme dados do Banco Mundial, de 2003 a 2014, o Brasil apresentava redução na sua parcela de população pobre, mas voltou a subir em 2015. Na proporção populacional, o país está atrás dos sul-americanos Paraguai, Chile e Uruguai.

Trazendo esse mesmo estudo para o município de Palmas, os números têm um crescimento expressivo. Considerando dados de 2015, quando a população palmense era estimada em 47.674 habitantes, mais de 45% dos habitantes do município encaixam-se nos parâmetros de pobreza elencados pelo Banco Mundial.

Conforme levantamento do Setor de Estatística do Departamento de Jornalismo da Rádio Club/RBJ, em 2015, cerca de 23,7 mil palmenses constavam no Cadastro Único do Governo Federal. Desses, 5,9 mil apresentavam renda mensal de R$ 0,00 a R$ 77,00 (menos de R$ 2,56 por dia). Outras 7,7 mil tinham renda entre R$ 77,01 e R$ 154,00 (menos de R$ 5,13 por dia). Outra parcela da população, 8 mil, afirmava em seu cadastro ter renda mensal entre R$ 154,01 e meio salário mínimo. Na época, o salário era de R$ 788,00 (meio salário = R$ 394,00). Ainda 2 mil tinham renda superior a meio salário mínimo, mas encaixavam-se em outros parâmetros para o cadastro.

Em 2015, a cotação média do dólar foi de R$ 3,34. Seguindo a metodologia do Banco Mundial, os palmenses que vivem com menos de R$ 18,37 (US$ 5,50 x R$ 3,34) por dia estão abaixo da linha da pobreza.

Desconsiderando apenas a última faixa de integrantes do Cadastro Único em Palmas, que afirmavam ter ganhos maiores que R$ 394,00 mensais, chega-se a 21,7 mil palmenses que vivem com menos de meio salário por mês (menos de R$ 13,13 por dia).