O município de Palmas, Sul do Paraná, deverá movimentar mais de R$ 911,2 milhões em 2019, através da aquisição de bens, alimentação, manutenção de veículos e imóveis, além de viagens e gastos com saúde. Os valores são quase 10% maiores que o estimado em 2018, conforme aponta o IPC (Índice de Potencial de Consumo), indicador levantado pela empresa IPC Marketing.

A pesquisa é realizada anualmente e baseia-se nos dados dos Censos de 2000 e 2010, das Pesquisas Nacional por Amostra de Domicílios e nas Contas Consolidadas da Nação, contabilizadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Os gastos com manutenção do lar, que englobam gastos com aluguel, imposto predial, condomínio, água e esgoto, energia elétrica, serviços domésticos, consertos de aparelhos domésticos, deverão ultrapassar R$ 233,98 milhões.

Despesas com cabeleireiros, manicures, serviços de cartórios, imposto de renda, tarifas bancárias, entre outras, deverão contabilizar R$ 167,95 milhões.

Para comer em casa, os palmenses deverão gastar R$ 105,69 milhões e mais R$ 35,03 milhões com a alimentação fora, em restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos do gênero.

O setor de materiais de construção, que engloba também a contratação de mão de obra para reforma e construção de imóveis, deverá contabilizar R$ 60,87 milhões.

Para os proprietários de automóveis, a estimativa é o desembolso de R$ 47,40 milhões em despesas com combustíveis e manutenção.

Na área de saúde, que abrange desde aquisição de medicamentos, tratamentos dentários, exames laboratoriais, consultas médicas até hospitalizações, os palmenses deverão gastar mais de R$ 55 milhões.