A Comfrabel (Cooperativa Mista Francisco Beltrão) realizou na última quarta-feira (22), encontro com associados e avalistas para alertar sobre risco de a estrutura física da cooperativa ir à leilão. Na ocasião foi feita uma apresentação da real situação da Cooperativa frente à União. Atualmente com mais de cinco mil associados, a dívida chega a R$ 33 milhões com o Banco do Brasil e o patrimônio é avaliado em R$ 30 milhões.

O Presidente do Conselho Diretor da Cooperativa, Arenil Reolon, comenta que na época em que a cooperativa não tinha dinheiro, associados colocaram seus bens em aval para conseguir crédito. Agora, a intenção é que o patrimônio seja vendido para pagar esses avais, porém, um contrato impede essa negociação.

“Colocamos para os avalistas que esse contrato tem que ser quebrado, que a cooperativa Coopersantana tem que ter um mínimo de bom senso e quebrar esse contrato, para que a comissão da Comfrabel consiga trabalhar e fazer os acertos junto ao banco, INSS e todos os credores”, informa o presidente.

Segundo um dos 13 avalistas dos financiamentos da Comfrabel, eles estão tentando achar uma solução para essa situação que se arrasta há mais de 20 anos, de modo que as dívidas não recaiam aos avalistas, que eventualmente poderão ter seus bens particulares executados. Como o aval foi feito em favor de uma cooperativa que tem mais de cinco mil associados, isso não seria justo. Ele ainda destaca que o importante é que a dívida seja paga a União, independente de sobrar ou não dinheiro.

Problemas originados há vários anos, dificultam esse trabalho, no entanto, os atuais credores da Comfrabel estão dispostos a conversar. O novo conselho diretor já esteve em Brasília e deixou claro que esse é o momento de negociar.

Ouça a entrevista: