A Balança Comercial de Palmas, Sul do Paraná, fechou 2016 com uma queda de 2,53% comparado a 2015. No último ano, o saldo de exportações e importações do município foi de US$ 146,086 milhões (dólares). Em 2015 esse valor chegou a US$ 149,8 milhões. Por outro lado, apesar da queda, Palmas avançou uma posição no Estado e encerrou 2016 com a 11ª maior Balança Comercial e permaneceu na 138ª posição entre os 5,5 mil municípios do Brasil.

O produto palmense com maior representatividade no mercado internacional, a madeira compensada, mesmo exportando 30 mil toneladas a mais que em 2015, apresentou redução de 7,56% em sua movimentação financeira, totalizando US$ 113,6 milhões no ano passado.

Segundo fontes ligadas ao setor, em 2015, a taxa cambial era menor, o que gerava menor interesse por parte das indústrias madeireiras do país em exportar. A elevação do dólar em 2016, aumentou a oferta, superando a demanda, o que acabou pressionando os preços para baixo.

Por sua vez, as exportações da indústria farmacêutica cresceram 27,92%, ultrapassando os US$ 21 milhões. Fechando a lista dos principais produtos da pauta de exportações de Palmas, no setor frigorífico, com um volume menor em vendas, as cifras caíram cerca de 9,1%, encerrando o ano com US$ 9,3 milhões.

Ao todo, a indústria palmense exportou o equivalente a US$ 147,3 milhões, enquanto que as suas importações, ou seja, as compras realizadas pelo setor, foram de pouco mais de US$ 1,2 milhão. O saldo da Balança Comercial é obtido através da subtração das importações do total de exportações.

O maior comprador da produção de Palmas foi os Estados Unidos, US$ 39,7 milhões, seguido pelo Reino Unido – US$ 29,2 milhões, Espanha – US$ 21,4 milhões, Bélgica – US$ 11,4 milhões e Hong Kong – US$ 7 milhões, sendo esse os 5 principais compradores de um mercado que chegou a mais de 35 países no último ano.