A subestação da Copel em Palmas, sul do Paraná, estará recebendo um reforço na capacidade de abastecimento a partir de março do próximo ano.  Até lá deverão estar concluídas as obras de implantação de uma nova linha de transmissão  a partir da Usina Hidrelétrica Governador Bento Munhoz da Rocha Neto, em Foz do Areia, no município de Pinhão, centro sul do Paraná. Por conta de embargos as obras deverão sofre atraso de  um ano.

Conforme gerente de manutenção da regional Oeste Sudoeste da Copel, Temístocles Todeschini, com o investimento de R$ 19 milhões de reais, a subestação local não sofrerá mais quedas de energia. Conforme ele, a demanda de Palmas é atendida apenas por uma linha que parte de Pato Branco e passa por Clevelândia e, em caso de desligamento desta rede, toda a região de Palmas é afetada.Explicou que além de ter garantido o abastecimento, Palmas será um centro distribuidor de energia para o Sistema Nacional.

Atualmente o sistema local recebe a energia produzida pelas PCHs – Pequena Central Hidrelétrica Victor Adami e Rondinha em funcionamento no Rio Chapecó, no município de Passos Maia. Também deverá estar conectada, a unidade a ser construída no município de Coronel Domingos Soares, a PCH Foz do Estrela. Além disso, a energia atualmente produzida pelo Parque Eólico em território palmense e ser gerada parceria entre a WEG e a COPEL a partir do próximo ano também deverão interligadas a Palmas.

Conforme Todeschini, a instalação da Linha de Transmissão de 138 mil volts já deveria estar concluída, mais ao logo da execução das obras, o cronograma sofreu alterações por conta dos embargos feitos por muitos proprietários de terras, por onde foi necessário instalar as torres, Explicou que a nova linha terá 80 quilômetros de extensão sobre os municípios Pinhão, Bituruna, Coronel Domingos Soares até chegar a Palmas.

Os trabalhos começaram em Foz do Areia e depois de feitas as escavações ao longo do trajeto estão sendo procedidas a concretagem e nivelamento das bases das 196 torres, que já estão sendo erguida próxima a subestação de Palmas.  Posteriormente serão lançados os cabos e feitos os testes que antecedem a entrada em operação em março do próximo ano.