A alimentação dos detentos da carceragem da Delegacia de Polícia de Palmas votou a ser produzida localmente, há alguns dias. A medida foi adotada pelas constantes reclamações e negativas dos detentos em receber os alimentos que chegavam  impróprios para consumo. A situação  desencadeou uma greve de fome, fato denunciado pelo Portal RBJ, com repercussão nacional.

Após entendimento entre Conselho da Comunidade, chefia de Polícia, Ministério Público, Poder Judiciário, com  o restaurante contratado pela Secretaria de Justiça do Paraná(SEJU) em Guarapuava, foi readequado e ampliado o espaço da cozinha para permitir a  produção da alimentação na própria delegacia para os aproximadamente 100 detentos.

O problema da péssima qualidade dos alimentos  era frequentemente constatada, visto que entre a produção dos alimentos em Guarapuava, o transporte num percurso de 230 quilômeteros e a hora em que eram servidas as marmitas,   azedava  a alimentação. Agora, além de serem servidos quentes, também os alimentos recebem tempero, o que não ocorria anteriormente.

 

BANHO

 

Outra medida adotada, foi instalar  sistema que permite aos presos tomar banho quente, em razão das baixas temperaturas que enfrenta a região de Palmas durante o período de inverno. A situação comprometia a higiene pessoal dos detentos, resultando em vários outros problemas de saúde da comunidade carcerária, principalmente a resfriados, gripes e outras doenças de inverno.