O Dia Internacional das Pessoas Idosas é comemorado em 1 de outubro. Também conhecido como Dia Internacional do Idoso, o principal objetivo desta data, além de homenagear as pessoas de mais idade, é incentivar a conscientização da sociedade sobre as necessidades das pessoas idosas.

Para isso, os cidadãos e os governantes devem estar cientes sobre os papéis sociais que devem desempenhar, desde o respeito e auxílio aos indivíduos idosos, até políticas e estratégias (nos variados setores) que garantam que as pessoas tenham um envelhecimento com qualidade de vida e dignidade.

Em Francisco Beltrão, através da prefeitura municipal, várias atividades são realizadas no Centro de Convivência do Idoso, localizado na rua Mandaguari – bairro Luther King. Espaço voltado ao trabalho de fortalecimento dos grupos de idosos, estimulando e motivando a troca de experiências e com isso um ajudando/apoiado ao outro. Tem como objetivo promover e produzir trabalhos informativos, os quais estima-se trazer conhecimentos aos idosos.

O Centro, desenvolve atividades que contribuem no processo de envelhecimento saudável, no desenvolvimento da autonomia e de sociabilidades, no fortalecimento dos vínculos familiares e do convívio comunitário e na prevenção de situações de risco social. A intervenção social é pautada nas características, interesses e demandas dessa faixa etária e considerado a vivência em grupo, as experimentações artísticas, culturais, esportivas e de lazer e a valorização das experiências vividas constituem formas privilegiadas de expressão, interação e proteção social. É incluído vivências que valorizam suas experiências e que estimulem e potencialize a condição de escolher e decidir.

Em entrevista a Rádio Onda Sul FM, Lucélia Bortot Rama, coordenadora geral dos grupos de idosos de Francisco Beltrão, falou sobre os trabalhos e as atividades desenvolvidas no município. “Temos todas as tardes, temos os matinês, no Centro de Convivência, a cada dia da semana tem grupos diferentes e fazemos por mês, uma semana com os grupos do interior. Uma coisa que a gente presa é pela qualidade de vida desses idosos.”

Confira o áudio da entrevista na íntegra: